03:57 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Jair Bolsonaro (dir.) e Fernando Haddad (esq.) durante votação no primeiro turno

    Educação e saúde: especialistas comparam planos de Bolsonaro e Haddad

    © REUTERS / Ricardo Moraes/Paulo Whitaker
    Brasil
    URL curta
    Thales Schmidt
    1385

    O que propõem os presidenciáveis Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL) nos campos de educação e saúde? A Sputnik Brasil entrevistou especialistas nos dois assuntos para analisar o que está na mesa.

    Educação

    Algumas das principais propostas de Bolsonaro em seu plano de governo são: aumentar o ensino de matemática, ciências e português, "sem doutrinação e sexualização precoce"; fazer com que a universidade trabalhe para "gerar avanços técnicos para o Brasil"; utilizar a educação à distância como um "importante instrumento". O político do PSL também fala em "expurgar a ideologia de Paulo Freire" e que os gastos com educação feitos no Brasil hoje, em torno de 6% do PIB, é suficiente.

    Você pode conferir as propostas de Bolsonaro para a educação em seu plano de governo, entre as páginas 41 a 49.

    O presidenciável do PSL também já afirmou que pretende diminuir as cotas raciais para concursos e vestibulares.

    Além do escrito, o general Aléssio Ribeiro Souto comanda uma equipe que trabalha as propostas de Bolsonaro para a educação em caso de vitória. Ele já falou que as escolas devem "banir" os livros que não trazem a "verdade" sobre o golpe militar de 1964.

    Já algumas das principais propostas de Haddad para a educação são: aumentar o investimento em educação para 10% do PIB, revogar a emenda do teto de gastos, aumentar a educação em tempo integral, fomentar uma escola de "reflexão" em contraponto ao Escola Sem Partido e revogar a reforma do ensino médio aprovada pelo presidente Michel Temer (MDB).

    Você pode conferir as propostas do candidato do PT para a educação em seu plano de governo, entre as páginas 24 a 28.

    A opinião dos especialistas

    Para analisar as propostas dos presidenciáveis, a Sputnik Brasil entrevistou Denise Carreira, doutora em educação pela Universidade de São Paulo e coordenadora da ONG Ação Educativa, e Clodoaldo Cardoso, professor aposentado da Unesp e também doutor em educação.

    Carreira avalia que os planos de Haddad retomam as medidas previstas no Plano Nacional de Educação, de 2014, e assume uma importante decisão ao pontuar a importância de debater nas escolas a desigualdade brasileira em frentes como o racismo e o machismo.

    "Discutir gênero é fundamental. O artigo oitavo da Lei Maria da Penha estabelece a obrigatoriedade que as escolas discutam as questões de gênero para que se possa fazer uma educação de meninos e meninas que superem a grave problemática que é a violência doméstica."

    A diretora da ONG Ação Educativa também acredita que o presidenciável do PT acerta quando propõe revogar a reforma do ensino média feita por Temer: "foi uma reforma autoritária, que aprofunda as desigualdades e não enfrenta os desafios nesse nível de ensino."

    Na análise de Carreira, as propostas de Bolsonaro têm como objetivo uma educação que coloque em primeiro lugar a "obediência".

    "É uma proposta educacional voltada para a obediência, para uma sociedade profundamente hierarquizada. Para que as crianças e adolescentes sejam educadas para obedecer e  aceitar seus lugares no jogo das desigualdades brasileiras. Isso é terrivelmente perverso e vai contra a legislação educacional."

    O professor Clodoaldo Cardoso avalia que o plano de Haddad faz a avaliação correta ao dizer que a educação deve estar integrada com outras políticas sociais, como a saúde.

    Já sobre o plano de Bolsonaro para a educação, Cardoso diz que não é possível comentar. "Não há como dialogar. É impossível discutir quando não há uma posição", diz. "Por exemplo: no século XXI, quem é contra a educação à distância? Em alguns casos ela é uma opção, mas não há detalhamento [no plano de Bolsonaro]".

    O professor aposentado também critica a posição de Bolsonaro de que seria necessário diminuir as cotas raciais. O político do PSL chegou a afirmar no Roda Viva que os portugueses não chegaram a "pisar na África" e que, portanto, não haveria uma dívida histórica a ser paga.

    "O que eu posso fazer se alguém desconhece um fato histórico? Temos ex-colônias de Portugal na África. Angola fala português", diz Cardoso.

    Os números do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) de 2017 mostram o tamanho do desafio educacional que o Brasil enfrenta. 7 a cada 10 alunos do 3° ano do ensino médio têm nível insuficiente em português e matemática

    O Saeb é um teste feito a cada dois anos pelo Governo Federal para avaliar a educação no país.

    Saúde

    A saúde está no topo das preocupações dos brasileiros. Segundo pesquisa do Datafolha, 23% da população acredita que a saúde é o principal problema do país no momento.

    Algumas das principais propostas de Bolsonaro para lidar com esse anseio são: criar um prontuário eletrônico, melhorar o saneamento básico, criar a carreira de médico do Estado, permitir apenas os profissionais do "Mais Médicos" que forem aprovados no Revalida e incluir profissionais de educação física no programa de Saúde da Família. O político do PSL também diz que os investimentos na saúde já são suficientes e que "é possível fazer muito mais com os atuais recursos"

    Você pode conferir as propostas de Bolsonaro para a saúde em seu plano de governo, entre as páginas 36 a 40.

    Já as proposições de Haddad são: trazer médicos especialistas no Mais Médicos, criar clínicas de especialidades, regular de maneira "mais transparente" os planos de saúde e aumentar o investimento em saúde em relação ao PIB. O presidenciável do PT também defende a criação de um prontuário eletrônico

    Você pode conferir as propostas de Haddad para a educação em seu plano de governo, entre as páginas 28 a 30.

    A opinião da especialista

    Para decifrar as propostas, a Sputnik Brasil falou com Maria Fernanda Terra, professora de saúde coletiva da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Ela acredita que os planos de Haddad estão em linha com a Constituição de 1988 porque colocam a saúde como um "dever do Estado".

    "A saúde não pode ser pensada apenas como oferta de assistência clínica. Ela tem que ser pensada com políticas sociais e econômicas. Haddad traz isso ao falar de pontos importantes como a contenção de vulnerabilidades, com a questão LGBT e das mulheres negras".

    A professora também ressalta a importância do programa Mais Médicos para a regionalização da oferta de profissionais da saúde: "o Mais Médicos foi uma maneira de garantir o acesso à saúde de populações distantes, ribeirinhas, a população indígena. Eu trabalho com a população indígena e vemos que quem está nas aldeias hoje são os médicos cubanos".

    Sobre o plano de Bolsonaro, Terra faz críticas ao modelo de saúde defendido pelo presidenciável do PSL:

    "Saúde não é só ausência de doença. Saúde não se garante mediante oferta de consulta médica, mas com uma série de outras políticas sociais e econômica. Nessa proposta, é necessário olhar o território. Onde ela mora, como ela vive. Se ela tem carteira assinada, salário. São uma série de recursos sociais que garantem a saúde. A proposição de Bolsonaro traz a proposta de fortalecimento do médico, como se o médico fosse a base da saúde. Esse modelo focado no médico é o que tínhamos na década de 1960 e 1970, no período da ditadura."

    Mais:

    Haddad no Roda Viva: 'represento um projeto que precisa ser resgatado'
    Marina Silva declara 'voto crítico' em Haddad no segundo turno
    Pesquisa da CNT registra Bolsonaro com 57% dos votos válidos e rejeição menor que Haddad
    Haddad é proibido de associar Bolsonaro à tortura em propaganda eleitoral
    Haddad chama Bolsonaro de 'aberração' e desafia candidato do PSL
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Fernando Haddad
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik