09:33 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Jair Bolsonaro (dir.) e Fernando Haddad (esq.) durante votação no primeiro turno

    Presença em debates só depende de Bolsonaro, dizem médicos

    © REUTERS / Ricardo Moraes/Paulo Whitaker
    Brasil
    URL curta
    653

    Em declaração ao jornal Folha de São Paulo o médico cirurgião Antonio Luiz Macedo afirmou que o candidato do PSL à Presidência da República pode ir aos debates e que a escolha "depende dele por causa da colostomia".

    O cirurgião tem acompanhado o caso de Bolsonaro desde o ataque sofrido pelo candidato no dia 6 de setembro. A declaração foi dada ao jornal nesta quinta-feira (18) após uma visita ao presidenciável no Rio de Janeiro.

    Segundo a publicação, Macedo respondeu a reportagem com uma nota, em que confirma que Bolsonaro passou por nova avaliação médica e que apresenta boa evolução. A nota ainda acrescenta que o candidato necessita de suporte nutricional e fisioterapia.

    O jornal ainda aponta que a nota foi atualizada com uma frase 40 minutos depois da publicação da nota. A atualização afirma que "Ainda permanece como fator limitante relativo a presença da colostomia".

    Há uma semana, após visita ao candidato, o médico chegou a afirmar que o candidato do PSL seria liberado para os debates já nesta quinta-feira (18).

    Bolsonaro tem dito publicamente que não iria aos debates devido à recuperação de sua saúde, mas sofre críticas. Na quarta-feira (17), o deputado chegou a afirmar que a falta nos debates seria uma "estratégia".

    Mais:

    Bolsonaro e Haddad assinam documento de compromisso à Constituição
    Em encontro com cardeal, Bolsonaro promete 'defender a família' e impedir aborto
    Travesti é assassinada em SP aos gritos de 'Bolsonaro presidente'
    Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo estão em maus lençóis no Barcelona por apoiar Bolsonaro
    Ex-líder da KKK elogia Bolsonaro: 'ele soa como nós'
    Tags:
    eleições 2018, debates, Partido Social Liberal (PSL), Jair Bolsonaro, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik