08:27 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Laura Carneiro (PMDB-RJ) demonstra intimidade com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ)

    Centrão planeja mudar de nome, projeta fusão e continuidade de estratégia no Congresso

    Lula Marques/AGPT
    Brasil
    URL curta
    514

    Foram 22 deputados a menos após o resultado das urnas, mas o Centrão, coalização formada pelo DEM, PRB, Solidariedade, PP e PR, considera continuar unido e se manter força atuante no Congresso em 2019. Entre as primeiras estratégias está reeleger Rodrigo Maia para a presidência da Câmara. A partir daí, o grupo pensa em mudar de nome.

    A ideia é se juntar a partidos como o MDB, o PSDB e o PSD e criar uma coalizão maior, que preze pela “responsabilidade e sensatez”, em referência à "marcha da insensatez" mencionada por Fernando Henrique Cardoso em carta enviada a candidatos de centro há três semanas. A possibilidade de fusões entre os partidos também não está descartada.

    A criação de um superpartido é possibilidade aventada desde maio entre a cúpula das siglas e foi formalmente discutida entre o presidente do DEM, ACM Neto, o secretário-geral do PSDB, Marcus Pestana e o próprio Rodrigo Maia. A estratégia — além de dar mais voz aos parlamentares em decisões importantes — também faz engordar o fundo partidário (mesmo motivo pelo qual Marina já considera fundir a Rede ao PPS).

    O novo nome do Centrão ainda não está na mesa. Oficialmente, os partidos se recusaram a comentar as negociações.

    Tags:
    Rede, PPS, PSD, PSDB, MDB, Marcus Pestana, Rodrigo Maia, Marina Silva, Fernando Henrique Cardoso, ACM Neto, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik