23:35 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Jair Bolsonaro, candidato à Presidência do Brasil, coloca seu voto, em 7 de outubro de 2018

    Bolsonaro diz que vai privatizar e agradar o mercado

    © REUTERS / Ricardo Moraes
    Brasil
    URL curta
    20716

    O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, disse neste sábado que seu plano de privatizações, caso seja eleito, será de inteiro agrado do mercado, informou Agência Brasil.

    Segundo ele, as primeiras estatais que serão alvo de análise para privatização serão as criadas pelos governos do Partido dos Trabalhadores.

    "Em um primeiro momento, aquelas quase 50 estatais criadas pelo PT e ainda sobram 100. Essas outras têm que ter um modelo para privatizar com responsabilidade, logicamente que as estratégicas não privatizaremos, como Banco do Brasil, Caixa Econômica e Furnas, entre outras. Mas, como um todo, tenho certeza que o mercado vai gostar do nosso plano de privatização porque é uma maneira a mais de combater a corrupção e o Estado tem que estar com aquilo que é essencial nas suas mãos, que são as estratégicas", declarou Bolsonaro.

    O candidato também disse que, prioritariamente, é preciso combater a corrupção para que sobrem recursos para serem aplicados em outras áreas. Segundo Agência Brasil, as declarações foram dadas ao deixar a casa do empresário Paulo Marinho, onde gravou o programa político partidário.

    Bolsonaro não confirmou se participará dos dois debates que estão marcados para segundo turno. Ele disse que, mesmo se for liberado pelos médicos na avaliação que fará quinta-feira, pode não comparecer, "como estratégia de campanha". No entanto, afirmou que, se Haddad quiser debater com ele na rua, na frente de jornalistas, aceitará o debate.

    Mais:

    Mentor da eleição de Trump nos EUA indica que Bolsonaro faz parte do seu 'movimento'
    Especialista em milícias comenta plano de segurança pública de Bolsonaro e Haddad
    Bolsonaro x Haddad: o que a América Latina deve esperar de cada um?
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik