05:57 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), pré-candidato à presidência do Brasil em 2018, durante evento da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) em São Paulo

    Os grandes grupos de comunicação escolheram seu candidato, diz cientista política

    © AFP 2018/ Miguel SCHINCARIOL
    Brasil
    URL curta
    534855

    Com a chegada da reta final das eleições presidenciais, o capital, o grande empresariado e os grupos de comunicação escolheram seu candidato: Jair Bolsonaro (PSL). A avaliação é da cientista política e professora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) Clarisse Gurgel.

    "O capital internacional e o grande empresariado local enfim decidiram qual é o candidato deles. Eles perceberam que o Alckmin não tem chances, que o Ciro não vai passar o Haddad, então eles já fizeram uma escolha — e isso estava faltando", afirma Gurgel à Sputnik Brasil. 

    A professora da Unirio ressalta a tímida cobertura da imprensa que as manifestações contra o ex-capitão no sábado receberam. As mulheres organizaram atos contra Bolsonaro no Brasil e no exterior. "A Globo já deu mostras ao longo de sua história de até onde ela pode ir para impedir um candidato de ser eleito. A edição do debate eleitoral em 1989 foi escandalosa."

    Na primeira eleição direta para presidente após o fim da ditadura civil-militar, a Globo editou um debate entre Lula e Fernando Collor para prejudicar Lula e beneficiar Collor. Na época, os debates não eram transmitidos ao vivo. 

    Apesar do general Hamilton Mourão ter questionado o adicional de férias e o 13° salário, sua chapa com Bolsonaro continua subindo nas pesquisas.

    Clarisse Gurgel analisa que a escolha por Bolsonaro pelo "capital" é garantida pelo guru econômico de Bolsonaro.

    "O Paulo Guedes não é só um economista liberal, disposto a implementar todas as reformas que o PT não implementou no ritmo que o capital queria. Mas ele é também um economista formado na Escola de Chicago, que é a escola que está formando quadros políticos dedicados a imprimir choques econômicas, com reformas neoliberais e choque de probreza, e choque de aniquilamento da população. Que é aniquilar militância, eliminar pobres, negros, gays, mulheres."

    Fernando Haddad (PT) e Bolsonaro não lideram apenas as pesquisas de intenção de voto. Eles também estão na ponta dos índices de rejeição. Bolsonaro é rejeitado por 45% do eleitorado, enquanto Haddad é por 41%. A cientista política acredita que este quadro reflete uma polarização, mas que ela é falsa.

    "O problema da eleição não é ela ser polarizada, porque a sociedade é materialmente polarizada entre aqueles que trabalham e aqueles que exploram o trabalho. Se a gente estivesse polarizado nesses marcos, se a polarização fosse na consciência dessa situação que divide a sociedade em interesses antagônicos, tudo bem. Mas a polarização é apoiada em fantasias, em imaginários. São todos de salvadores, heróis. Uns são saudosistas sem memória do que foi a ditadura, e outros saudosistas sem memória do que foi o governo do PT no que diz respeito ao desmonte da máquina pública. O PT não foi essa maravilha. O antipetismo está servindo como orientação para um eleitor que não tem orientação política. O Bolsonaro tem servido de orientação a um público que se despolitizou e acha que as grandes questões que estão colocadas agora são morais. São questões de o que você faz com sua sexualidade, quais são os limites da mulher."

    Mais:

    Datafolha: Bolsonaro cresce e atinge 32%, seguido por Haddad com 21%
    MPF denuncia agressor de Bolsonaro por atentado pessoal por inconformismo político
    Vice de Bolsonaro propõe aumento salarial para acabar com 13º
    Bolsonaro: 'questão ideológica é tão, ou mais grave, quanto a corrupção no Brasil'
    IBOPE: Bolsonaro cresce e atinge 31% das intenções de voto seguido por Haddad com 21%
    Tags:
    Globo, Geraldo Alckmin, Ciro Gomes, Fernando Haddad, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik