15:55 15 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Marina Silva da Rede Sustentabilidade lança a campanha Nem Dilma Nem Temer, Nova Eleição é a Solução

    Marina pede que TSE investigue Bolsonaro por ataque cibernético a grupo de mulheres

    Elza Fiuza/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    12411

    A candidata à Presidência pela Rede, Marina Silva, pediu que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) investigue Jair Bolsonaro (PSL) e o vice de sua chapa Hamilton Mourão (PRTB) por ataque cibernético realizado contra grupo organizado no Facebook "Mulheres contra Bolsonaro".

    No último dia 14 de setembro, o grupo do Facebook "Mulheres contra Bolsonaro" foi invadido por hackers e o seu nome foi alterado para "Mulheres com Bolsonaro". Posteriormente, as administradoras conseguiram retomar o controle da página. 

    De acordo com a ação movida pela campanha de Marina Silva, o ataque cibernético foi um ato criminoso de cunho eleitoral com "milhões de mulheres brasileiras". 

    "A vítima dessa estratégia sorrateira foi um grupo de milhões de mulheres brasileiras, que, apesar de estarem espalhadas por todo o país, reuniram-se licitamente através da internet para dialogar e manifestarem seu pensamento, entretanto, foram alvo de práticas criminosas e, ao que tudo indica, de cunho eleitoral", diz a ação. 

    De acordo com os advogados da chapa de Marina, Bolsonaro se beneficiou da invasão cibernética, tendo em vista que “foram excluídas as mensagens que lhe teciam críticas, alterando-as para outras que eram elogiosas”.

    Mais:

    Ciro aumenta críticas a Bolsonaro e Haddad: 'Vagabundo fascista' e 'oportunista do PT'
    Bolsonaro recebe alta de UTI semi-intensiva
    TSE manda Twitter entregar dados de usuários que comemoraram atentado contra Bolsonaro
    Bolsonaro acredita que vai sair do hospital até o final do mês (VÍDEO)
    Tags:
    eleições, mulheres, Marina Silva, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik