03:09 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Pílulas associadas ao suicídio

    Dia Mundial de Prevenção do Suicídio: 'falar sobre o assunto ajuda a combatê-lo'

    © Foto : CC0 Public Domain
    Brasil
    URL curta
    301

    Estudos oficiais mostram que os suicídios matam mais que o crime organizado no Brasil e que o país ocupa a 8ª posição, em termos absolutos, no ranking mundial. A Sputnik Brasil conversou com o psiquiatra Jorge Jaber sobre as causas de alto índice e como prevenir os casos de suicídio.

    Nesta data de 10 de setembro é celebrado o Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio. Estudo realizado pelo IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, com coordenação da OMS – Organização Mundial de Saúde, mostrou que ao longo da vida 17,1% dos brasileiros “pensaram seriamente em pôr fim à vida”, 4.8% chegaram a elaborar um plano para isso, e 2,8% efetivamente tentaram o suicídio. Atualmente, o Brasil é o 8.º país em números absolutos de suicídio no mundo, segundo a OMS. As principais vítimas são jovens entre 15 e 29 anos. Ainda, de acordo com a OMS, 90% dos casos podem ser prevenidos.

    O psiquiatra Jorge Jaber, em entrevista à Sputnik Brasil, fez um alerta sobre o aumento no índice de suicídios entre os jovens, e defendeu falar mais sobre o assunto para combater os riscos de suicídio. 

    "Por exemplo, em grandes cidades, entre os jovens, o suicídio disputa a segunda posição entre as causas de mortes. Em primeira, estão os acidentes, acidentes de trânsito, quedas, etc. Em segundo lugar, vem o suicídio. Eventualmente, em alguns períodos, o homicídio ultrapassou, porque haviam aquelas guerras de gangues que matavam muitos jovens. Hoje em dia o suicídio supera em larga margem o homicídio. E no Brasil nós temos cerca de mil suicídios mensais, ou 33, mais ou menos, por dia", destacou. 

    "O que mais assussta é que houve um aumento de mais de 60% nos suicídios de adolescentes acima de 10 anos de idade. Então é uma situação muito grave e que não é tão cara ou difícil de combater. Doenças infecciosas, doenças cardiovasculares, problemas graves de saúde são muito caros em termos de investimento para combatê-las. Mas o suicídio, se nós começarmos a falar mais como estamos fazendo agora, e se as pessoas que estiverem nos ouvindo conversarem mais sobre isso, menos pessoas se suicidarão. Isso é muito importante, ao falarmos sobre suicídio, nós ajudamos a combatê-lo", acrescentou o especialista.

    De acordo com Jaber, as principais características de pessoas que tentam tirar prórpria vida podem ser caracterizadas pelos 3 "D's": desesperança, desespero e desamparo. 

    "Então diante desses 3 'D's' — desesperança, desespero e desamparo, ele começa a ter uma sensação de que seria melhor morrer, de acabar com esse sofrimento. Quando a pessoa pensa em se matar, ela não pensa em acabar com a vida dela, ela pensa em acabar com o sofrimento, ela não aguenta mais o sofrimento. Se nós tivermos como conversar com ele antes, uma hora antes, um dia antes, esse jovem vai ter um contato com a vida, ele vai ter um fio […] é como se ele botasse um gancho prendendo-o a nós. E se nós mantivermos esse gancho, nós não precisamos fazer muita coisa. Só ajudar para que o jovem continue falando conosco", destacou o psiquiatra.

    De acordo com o especialista, cerca de 56% das pessoas que tomam essa atitude ou tem um problema mental importante como depressão ou tem problema de drogas. Ou seja, cerca de 35% tem depressão. Assim, Jaber afirma que os sintomas da depressão, como falta de interesse, diminuição da memória, irritabilidade, alteração no sono, alteração do apetite, são sinais que são facilmente reconhecíveis.

    "Se nós ajudarmos esse jovem e não o culparmos por ele estar tendo esses comportamentos que não são adequados para a vida acadêmica, por exemplo, e começarmos a compreender e procurarmos conversar com ele, para ele conversar com um psicóloga, numa altura dessas ajuda muito sem a necessidade às vezes de medicamento. Mas quando há um comprometimento maior a própria psicóloga pede a ajuda do psiquiatra. Então o psicólogo, o psiquiatra, o assistente social, pedagôgos, toda essa gama de profissionais que convive com o jovem deve ter a sua atenção voltada para ele e esse tipo de problema", completa. 

    Mais:

    Tomar ácidos pode ajudar a diminuir depressão, diz estudo
    EUA estão à beira de uma nova Grande Depressão?
    Economistas advertem: a guerra de tarifas de Trump pode resultar em nova Grande Depressão
    'Maior descoberta em meio século': Cetamina pode ser usada para tratar depressão
    Tags:
    depressão, suicídio, prevenção, saúde, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik