20:16 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Michel Temer durante uma cerimônia no Planalto em 1 de agosto de 2017

    Terceira denúncia vem aí? PF conclui que Temer recebeu propinas da Odebrecht

    © REUTERS / Adriano Machado
    Brasil
    URL curta
    530

    A Polícia Federal (PF) recomendou aos promotores que o presidente Michel Temer seja acusado de aceitar subornos e lavagem de dinheiro, de acordo com informações do inquérito divulgadas nesta quarta-feira.

    A investigação envolve R$ 10 milhões em fundos ilícitos que o MDB de Temer supostamente recebeu da construtora Odebrecht em 2014, segundo o documento policial.

    A Odebrecht fez o suposto pagamento em 2014, quando Temer era vice-presidente da República.

    O gabinete de Temer disse em uma declaração por escrito que o presidente não havia cometido nenhum delito e que os fundos recebidos da Odebrecht eram doações de campanha legal.

    A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu em março que Temer fosse investigado, apesar da Constituição impedi-lo de ser julgado por crimes cometidos antes de se tornar presidente, enquanto permanecer no poder.

    O documento policial indicou que o ministro das Minas e Energia, Wellington Moreira Franco, e o chefe de gabinete de Temer, Eliseu Padilha, também estiveram envolvidos no suposto esquema e a PF pediu que enfrentassem acusações de corrupção.

    De acordo com a legislação brasileira, no final de uma investigação, a polícia deve solicitar que os promotores façam quaisquer acusações formais. Se o fizerem, cabe a um juiz decidir se as acusações merecem julgamento.

    Temer já enfrentou acusações anteriores de corrupção, que foram bloqueadas pelo Congresso no ano passado. Sob a lei brasileira, os congressistas devem aprovar quaisquer acusações relacionadas à conduta no cargo contra um presidente em exercício, que só poderia ser julgado perante a Suprema Corte.

    Uma vez que Temer deixa o cargo em 1º de janeiro, ele ainda pode enfrentar as acusações que o Congresso bloqueou e quaisquer novas acusações que possam ser feitas contra ele enquanto ainda no cargo.

    Mais:

    Temer articula apoio de bancos ao Museu Nacional
    Temer: incêndio do Museu Nacional provocou perda 'incalculável'
    'Aposentadoria relativa': Temer fala sobre fim da presidência
    Tags:
    suborno, propina, corrupção, MDB, Odebrecht, Polícia Federal, STF, Raquel Dodge, Eliseu Padilha, Moreira Franco, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik