13:41 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldados das Forças Armadas brasileiras se preparam para treinamentos em grande escala em Brasília, foto de arquivo

    Decreto autoriza uso de Forças Armadas em Roraima

    © AP Photo / Eraldo Peres
    Brasil
    URL curta
    0 21

    Um decreto presidencial autorizando o emprego das Forças Armadas para a garantia da Lei e da Ordem em Roraima foi publicado nesta quarta-feira.

    A autorização vale para algumas áreas específicas, no caso, as faixas de fronteira Norte e Leste; e as rodovias federais, entre os dias 29 de agosto e 12 de setembro.

    O decreto foi anunciado pelo presidente Michel Temer na terça-feira. Temer disse que a medida visa dar segurança aos brasileiros e também aos venezuelanos.

    Chegada de imigrantes venezuelanos ao Centro Temporário de Acolhimento de São Mateus, zona leste de São Paulo
    © Foto : Rovena Rosa/Agência Brasil
    Na cerimônia de ontem, o ministro da Defesa, general Silva e Luna, disse que não houve pedido da governadora do estado, Suely Campos, para edição desse decreto, que poderá ter seu período de validade ampliado, caso seja do interesse do poder público.

    De acordo com o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, a GLO é para conter a crise no estado, e não para impedir a entrada de venezuelanos.

    Ainda segundo o ministro, dos 600 a 700 venezuelanos que entram diariamente pela fronteira, cerca de 20% a 30% permanecem no país.

    Segundo a Polícia Federal, quase 130 mil venezuelanos entraram no país entre 2017 e junho deste ano. Desses, cerca de 60% já deixaram o território brasileiro. Os dados atualizados de ingresso de venezuelanos no país devem sair nos próximos dias, informou Agência Brasil.

    Mais:

    'Guerra entre brasileiros e venezuelanos' leva delegação do Parlasul a Roraima
    Forças Armadas revelam estratégia de resolução da crise migratória em Roraima
    Crise na Venezuela pode deixar Roraima 'no escuro'
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik