05:07 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Marielle Franco, vereadora pelo PSOL, assassinada na noite do dia 14 de março

    Equipe que investiga caso de Marielle é trocada pelo procurador-geral

    © Foto : Renan Olaz/CMRJ
    Brasil
    URL curta
    101

    O procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem, anunciou nesta terça-feira a troca da equipe que investiga a morte de Marielle Franco.

    “A partir de agora, a promotora de justiça Letícia Emiliy assume o caso e fez a opção de que trabalhassem com ela as estruturas do Gaeco, que é o Grupo de Combate ao Crime Organizado, e CSI, que é na Coordenadoria de Segurança e Inteligência do Ministério Público estadual”, destacou Gussem.

    De acordo com ele, a razão para a troca foi uma opção da própria promotoria, que, segundo o procurador, tem "independência funcional" para realizar a troca. A anúncio foi feito depois de uma reunião com outras autoridades ligadas ao caso. 

    Eduardo Gussem acrescentou que há um "forte indício" da participação de milicianos no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL). 

    “Há um forte indício nesse sentido e parece que as investigações caminham num forte sentido de participação de milicianos”, completou o procurador-geral.

    Mais:

    Jungmann: polícia do Rio recusou apoio da PF no caso Marielle
    Caso Marielle: Sigilo não deve ser 'confundido com silêncio', diz Anistia Internacional
    5 meses sem Marielle: Anistia Internacional exige respostas sobre assassinato
    Viúva de Marielle relata ameaças e pede proteção a órgão internacional
    Tags:
    milícia, assassinada, PSOL, Marielle Franco, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik