15:35 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Protesto pela memória de Marielle Franco e Anderson Gomes.

    Caso Marielle: Sigilo não deve ser 'confundido com silêncio', diz Anistia Internacional

    © AP Photo / Leo Correa
    Brasil
    URL curta
    211

    As autoridades que investigam o assassinato da vereadora Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes, não devem confundir "sigilo" com "silêncio". A avaliação é da diretora da Anistia Internacional, Jurema Werneck.

    "É correto as investigações serem feitas em sigilo. Mas não se deve confundir sigilo com silêncio das autoridades. As autoridades de segurança pública têm o dever de vir à público afirmar seu compromisso com a investigação e com os resultados", afirmou Jurema à Sputnik Brasil.

    Nesta terça-feira (14), o assassinato da vereadora do PSOL completa cinco meses. A Anistia Internacional entregou ofícios com pedidos de respostas para cinco autoridades: o Chefe da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro Rivaldo Barbosa de Araujo Junior; o Secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro General Richard Fernandez Nunes; o Interventor Federal General Walter Souza Braga Netto; o Procurador Geral do Ministério Público do Rio de Janeiro José Eduardo Ciotola Gussem; a Procuradora Federal dos Direitos do Cidadão Deborah Macedo Duprat de Britto Pereira; o Ministro da Justiça Torquato Jardim.

    Jurema Werneck destaca que é grave a possibilidade do período eleitoral chegar e ainda não existir uma resposta sobre o caso de Marielle. "Entrando o período eleitoral, é preciso manter a mobilização para que não ocorra o risco de acontecer uma eventual negligência em relação à investigação."

    A diretora da Anistia Internacional também afirmou que o organismo recomenda que seja instituído "um mecanismo indepedente de monitoramento das investigações". 

    Monica Benício, viúva de Marielle Franco, Jurema Werneck, dir. executiva da Anistia Internacional Brasil, Marinete da Silva e Antonio Francisco da Silva Neto, mãe e pai da defensora de direitos humanos e vereadora na Secretaria de Estado de Segurança do Rio de Janeiro.
    © Foto : Bruno Duarte/ Anistia Internacional
    Monica Benício, viúva de Marielle Franco, Jurema Werneck, dir. executiva da Anistia Internacional Brasil, Marinete da Silva e Antonio Francisco da Silva Neto, mãe e pai da defensora de direitos humanos e vereadora na Secretaria de Estado de Segurança do Rio de Janeiro.

     

    Mais:

    5 meses sem Marielle: Anistia Internacional exige respostas sobre assassinato
    Viúva de Marielle relata ameaças e pede proteção a órgão internacional
    Dois suspeitos de envolvimento no assassinato de Marielle são presos
    STJ nega habeas corpus a ex-policial investigado pela morte de Marielle
    Anistia Internacional cobra MP por atuação mais ativa no caso Marielle
    Tags:
    Anistia Internacional, Jurema Werneck, Anderson Gomes, Marielle Franco
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik