18:00 14 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Sessão de orientações sobre o uso correto da urna eletrônica e a importância do voto.

    Urnas eletrônicas são seguras e não há razão para voto impresso, diz ex-ministro do TSE

    © Foto : Elza Fiúza/ABr
    Brasil
    URL curta
    617

    Em decisão proferida no último dia 6 de junho, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu pela suspenção do uso do voto impresso nas urnas eletrônicas nas eleições de outubro deste ano.

    A impressão do voto foi criada em 2015, pela minirreforma eleitoral, com objetivo de garantir meios para embasar auditorias nas urnas eletrônicas. Mesmo com a garantia da Justiça Eleitoral de que o sistema de votação é seguro, questionamentos de alguns eleitores levaram o Congresso Nacional a criar o voto impresso.

    A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia.
    © Foto : Luiz Silveira/Agência CNJ/ Fotos Públicas
    Apesar de ser chamado de voto impresso, o mecanismo serve somente para auditoria das urnas eletrônicas, e o eleitor não fica com o comprovante da votação.

    A Sputnik Brasil entrou em contato com o jurista Henrique Neves, ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), para perguntar se é válido ou não a impressão dos votos. Segundo ele, o foco tem que ser em melhorar a fiscalização.

    "Nós evoluímos muito no voto eletrônico, obviamente que toda tecnologia precisa ser aperfeiçoada, acho que nós devemos gastar recursos públicos para ter maior transparência, maior fiscalização, que já é grande e suficiente, na urna eletrônica, mas voltar ao voto impresso seria voltar aos anos 70, aos anos 80, onde a gente tinha uma apuração que levava algumas semanas em alguns locais, muitos votos eram preenchidos pelas mesas apuradoras, a quantidade de fraudes denunciadas era muito grande e sempre havia tumulto e parece que nós superamos essa fase", comentou.

    A decisão do STF por 8 votos a 2, foi tomada a partir de uma ação da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra a impressão, sob a alegação de violação do sigilo do voto.

    O projeto me parece, que o eleitor somente iria olhar o voto, mas não ter consigo o papel, porque realmente se o eleitor levar para casa o comprovante do seu voto, aí ele pode servir como recibo de pagamento de uma compra de voto", disse Henrique Neves.

    O ex-ministro do TSE também argumenta que ainda não foi decidido qual das duas formas teria mais validade em caso de fraudes, a impressa ou a eletrônica.

    "Ninguém estabeleceu também, acho que por isso não foi aceito o modelo encaminhado, é que no caso de dúvidas, se houvesse uma discrepância, qual iria prevalecer? Seria o voto que está no papel? Aonde a mão humana pode tirar um voto e mudar todo o resultado daquela eleição ou prevaleceria o voto eletrônico?", questionou.

    No início do ano, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) chegou a fazer uma licitação para instalar impressoras em 30 mil urnas eletrônicas, o que representaria 5% do total, mas a compra foi suspensa. O contrato seria de aproximadamente R$ 60 milhões.

    Mais:

    Presidente do STF decide manter leilão de distribuidoras da Eletrobras
    STF libera porte de arma de fogo para guardas municipais
    Moro cancela uso de tornozeleira para Dirceu após decisão do STF
    Tags:
    votação, vota, voto impresso, Eleições 2018, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik