11:22 16 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    General Walter Souza Braga Netto, responsável pelo Comando Militar do Leste e indicado como interventor responsável pelas forças de segurança e o sistema prisional do Rio de Janeiro /

    Rio tem 18 tiroteios por dia e aumento do número durante Intervenção Federal

    © Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    1030

    Um relatório de atividades do aplicativo Fogo Cruzado, que registra incidência de tiroteios na região do Rio de Janeiro, apontou que a capital fluminense tem 18 tiroteios por dia. A Sputnik Brasil conversou com a criadora do projeto, a jornalista Cecília Oliveira, que comenta o aumento no número de tiroteios durante a Intervenção Federal no Rio.

    O relatório do aplicativo registra um período de 2 anos, entre os dias 5 de julho de 2016 e 5 de julho de 2018. No total, foram registrados 13.287 tiroteios na região. O número é considerado alto e retrata uma situação que se tornou corriqueira no cotidiano local.

    "É aí que está o problema. Já não nos surpreende mais. É um coisa tão cotidiana que ou você já esteve em uma situação em que se viu ali literalmente no meio do fogo cruzado ou você conhece alguém que já passou por isso", afirma Cecília Oliveira.

    Cecília conta que o projeto surgiu a partir de uma reportagem que ela escrevia no final de 2015. Ao buscar informações sobre tiroteios no Rio de Janeiro, ela não encontrou dados sobre a questão. Daí surgiu a ideia de coletar os dados e criar uma plataforma capaz de agregá-los.

    Hoje, o Fogo Cruzado também atua além do Rio de Janeiro, na zona metropolitana de Recife-PE.

    O aplicativo é um serviço que aponta em tempo real locais onde há incidência de tiroteios. O usuário do aplicativo pode escolher a região sobre a qual quer receber as informações e se manter a par dos possíveis conflitos.

    A jornalista Cecília Oliveira declarou à entrevista que a escolha do Rio de Janeiro seria pelo alto índice de tiroteios na região. Já o Recife, pelo alto índice de homicídios, que ultrapassa os números cariocas.

    Apesar da confiança no serviço, ela lança um alerta de que o número de tiroteios registrados pelo aplicativo não retrata fielmente a realidade.

    "Apesar de ter todo esse número, e mais de 13 mil tiroteios é muita coisa, a gente tem plena convicção de que esses números são subnotificados. Nós trabalhamos com três fontes de informação. Os usuários nos enviam informação e a gente mapeia informação do órgãos policiais e da imprensa. Então, assim, se ninguém mandou para a gente a notificação, se a imprensa não cobriu esse evento e se as polícias não receberam essa informação [a ponto de não] se tornar uma ocorrência policial que foi publicizada, essa informação 'não existe'", ressalta.

    Apesar da subnotificação, aponta Cecília, desde que o aplicativo foi lançado, os responsáveis percebem um aumento constante no número de ocorrências.

    Para que haja exatidão nos registros, as informações coletadas passam por um processo de checagem rígido, que inclui cruzamento de dados e uso de scripts. Com isso, a organização procura evitar registros duplos e registros falsos.

    Ela ainda afirma que o período da Intervenção Federal no Rio de Janeiro não demonstrou mudança nesse processo de aumento das ocorrências de tiroteios registrados pelo aplicativo. Cecília também acrescenta que os números do Fogo Cruzado demonstram que houve mais tiroteios em algumas regiões específicas. É o caso da Cidade de Deus e do Complexo do Alemão.

    Período da Intervenção Federal registra aumento de tiroteios

    O maior aumento do número de tiroteios registrados ao longo dos 2 anos registrados no relatório ocorreu justamente entre o 2º semestre de 2017 e o 1º semestre de 2018, com um acréscimo de 74% nos tiroteios.

    O período coincide com a implementação da chamada Intervenção Federal no estado do Rio de Janeiro pelo governo de Michel Temer (MDB), que passou a valer no dia 16 de fevereiro de 2018 e vai até o final do ano.

    Para a fundadora do Fogo Cruzado, isso demonstra que a medida do Governo Federal não surtiu o efeito desejado. Porém, ela destaca que esse não foi o primeiro momento em que o Exército atuou na segurança pública do estado.

    "Fica parecendo que só em 2018 é que a gente vai contar com a presença das Forças Armadas e na verdade não é assim. O Rio de Janeiro já tinha acessado a Lei de Garantia [da Lei e da Ordem], a GLO, e já estava recebendo as Forças Armadas desde o meio do ano passado", afirma.

    Ela ainda conclui, ressaltando que a presença do Exército na segurança pública do estado não é uma novidade, assim como não são os tiroteios.

    "Então de fato, a gente precisa que as coisas sejam planejadas. A Intervenção de agora não foi planejada. Tanto que você pode acompanhar e perceber que orçamento chegou muito depois, o orçamento ainda não foi empenhado. […] Quando você faz uma coisa assim meio que no susto, é claro que não vai dar certo. Você precisa planejar essas situações".

    Mais:

    A segurança no Rio tem solução? Especialistas criam agenda com propostas para candidatos
    Ministério Público entra com ação de improbidade contra prefeito do Rio
    TRE vai pedir reforço de tropas federais para ajudar nas eleições do Rio de Janeiro
    Câmara do Rio começa a discutir impeachment de Crivella nesta quarta-feira
    Mãe corajosa se lança ao rio para salvar seu filho de crocodilo na Indonésia (FOTO)
    Forças Armadas ocupam comunidades do Rio
    Justiça aceita denúncia contra homem que atropelou 18 pessoas no Rio
    Rio adquire cor de sangue e aterroriza chineses (VÍDEO)
    Tags:
    Intervenção Federal no Rio de Janeiro, Fogo Cruzado, Cecília Oliveira, Michel Temer, Recife, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik