11:29 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Lula acena para a miltância no Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo

    Manifestantes fazem vigília à espera de Lula em Curitiba (VÍDEO)

    CC0 / Júlia Dolce/Brasil de Fato
    Brasil
    URL curta
    673

    Os apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniram perto da Superintendência da Polícia Federal de Curitiba, no Paraná, e aguardam a libertação do petista após pedido de soltura de desembargador.

    O grupo faz vigília no local há 93 dias, desde que Lula foi preso, mas o movimento ganhou grande adesão neste domingo e criou forte expectativa e tensão com o vai-e-vêm do pedido de habeas corpus para o ex-presidente. 

    De acordo com a organização do movimento da vigília, caso Lula seja realmente solto, ele será levado ao local onde se reúnem os manifestantes. 

    ​Os integrantes do movimento também afirmaram que não reconhecem a decisão do relator da Lava Jato no TRF-4, João Pedro Gebran Neto, que suspendeu a soltura de Lula. 

    O desembargador plantonista do TRF-4, Rogério Favreto, havia determinado liberdade a Lula na manhã deste domingo (8). Em seguida, o juiz Sergio Moro, mesmo estando de férias, divulgou um despacho contestando a decisão do desembargador Rogério Favreto.

    O desembargador João Pedro Gebran, por sua vez, determinou que PF não execute qualquer ato que modifique decisão da 8ª Turma, que confirmou a condenação do ex-presidente.

    Durante a tarde deste domingo, Favreto voltou a pedir a libertação imediata de Lula, afirmando que o magistrado "deliberou sobre fatos novos relativos à execução da pena". 

    Mais:

    Em domingo de despachos, prisão de Lula volta a agitar cenário político brasileiro
    Desembargador volta a pedir soltura imediata de Lula
    Relator da Lava Jato decide pela manutenção da prisão de Lula
    Desembargador decide libertar ex-presidente Lula
    Tags:
    desembargador, habeas corpus, prisão, Sergio Moro, Luiz Inácio Lula da Silva, Curitiba
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik