02:04 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Michel Temer em evento em São Paulo

    Temer teve demandas 'públicas e privadas' atendidas por empresários, diz PF

    Beto Barata / PR
    Brasil
    URL curta
    350

    A Polícia Federal (PF) afirma ter provas de que empresários brasileiros montaram uma estrutura para lidar irregularmente com as exigências "públicas e privadas" do presidente Michel Temer (MDB), que pode enfrentar uma nova denúncia de corrupção.

    "Os elementos recolhidos indicam que a Argeplan e sua estrutura financeira e funcional foram colocadas várias vezes a serviço das demandas da vida pública e privada de Sua Excelência o Presidente Temer", disse o delegado Cleyber Malta Lopes em relatório ao Supremo Tribunal Federal (STF), como relatado nesta sexta-feira pelo jornal O Globo.

    A Argeplan é uma empresa de propriedade do ex-coronel da Polícia Militar, João Batista Lima, amigo pessoal de Temer e também investigado pelas autoridades brasileiras.

    A investigação apura se Temer recebeu suborno em troca de benefícios para empreas que operavam no porto de Santos (SP), graças à aprovação de um decreto.

    O Supremo aceitou nesta sexta-feira conceder à polícia uma prorrogação de 60 dias para concluir a investigação (esta é a terceira vez que os agentes pedem mais tempo para investigar o presidente).

    No momento, o delegado Malta Lopes advertiu a Suprema Corte de que ele encontrou "ligações financeiras suspeitas" entre as supostas empresas beneficiadas, Argeplan e o amigo de Temer.

    Esse novo caso de corrupção poderia custar ao presidente brasileiro a terceira denúncia no que foi seu mandato.

    Temer foi denunciado duas vezes pela Procuradoria-Geral da República (PGR), no ano passado, por supostos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e pertencimento a uma organização criminosa.

    No entanto, em ambas as ocasiões o governo conseguiu mobilizar seus aliados na Câmara dos Deputados, que decidiu arquivar as queixas por maioria, impedindo que Temer fosse afastado do cargo para ser investigado.

    Contudo, Temer perderá o foro privilegiado a partir de janeiro de 2019, quando as duas denúncias já apresentadas deverão voltar a tramitar.

    Mais:

    Sem apoio político e popular: Temer virou um presidente decorativo?
    Temer diz que foi 'iluminado' por Deus com fim da greve dos caminhoneiros
    Temer colocou Brasil no 'limiar de regime de exceção', dizem deputados
    Tags:
    política, suborno, corrupção, Decreto dos Portos, Argeplan, Procuradoria Geral da República (PGR), Supremo Tribunal Federal (STF), Polícia Federal, João Batista Lima, Michel Temer, Cleyber Malta Lopes, Santos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik