18:31 20 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Brazil's President Michel Temer reacts during a meeting of the Council for Economic and Social Development (CDES) at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil, November 21, 2016

    Temer volta a rejeitar fechar a fronteira com a Venezuela em nova visita à Roraima

    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Brasil
    URL curta
    421

    O presidente Michel Temer (MDB) disse nesta quinta-feira que o país não mede esforços para ajudar os refugiados venezuelanos que cruzam a fronteira e chegam ao Brasil fugindo da crise em seu país.

    "Estamos recebendo milhares e milhares de refugiados venezuelanos que buscam uma vida melhor, e não poupamos esforços para construir condições físicas e jurídicas que permitam a solidariedade aos que fogem da crise humanitária", disse Temer, segundo seu relato sobre a crise humanitária postada no Twitter.

    O presidente fez as declarações durante uma visita a um abrigo em Boa Vista, capital de Roraima, estado que recebe dezenas de milhares de venezuelanos há meses e está sobrecarregado pela pressão da imigração.

    Nesse sentido, Temer reiterou que a possibilidade de fechar a fronteira não está na mesa, como tem pedido desde abril passado a governadora Suely Campos, que por sua vez critica muito a gestão que o governo central está fazendo da crise migratória.

    "Não podemos fechar a fronteira, isso seria inadequado, concordamos que a fronteira não pode ser fechada, mas não podemos abandonar a necessidade de Boa Vista, Roraima e todo o estado", destacou o presidente.

    Atualmente, os abrigos de Roraima recebem 4.200 venezuelanos, mas segundo estimativas das autoridades daquele estado somente na capital, Boa Vista, seriam mais de 40 mil (muitos vivem ao ar livre) e todos os dias cruzam a fronteira entre 500 e 800.

    Segundo Temer, o governo federal também está "atento" às necessidades dos brasileiros que moram em Roraima e, nesse sentido, anunciou a construção de um centro de radioterapia próximo ao hospital geral do estado, que deverá ser concluído em um ano.

    Para tentar descongestionar essa região de fronteira, o governo também lançou um programa de "internalização" para redistribuir os imigrantes para outras áreas do país.

    Até o momento, 527 venezuelanos foram transferidos pelo governo para as cidades de Manaus (AM), Cuiabá (MT) e São Paulo (SP).

    Quando questionado sobre a lentidão do processo e o número relativamente baixo de venezuelanos que queriam participar, o presidente explicou que é um programa complexo porque a transferência é voluntária.

    "A imagem que as pessoas têm da internalização é que você pega os venezuelanos, coloca-os em um ônibus ou em um avião e os libera em outro estado, isso não é feito, violaria precisamente os princípios humanitários", afirmou.

    Durante a sua segunda visita à Roraima para avaliar a crise migratória, o presidente visitou o abrigo de Nova Canãa, na capital Boa Vista, e um posto de identificação e recepção de imigrantes em Pacaraima, outra cidade e que fica na fronteira.

    Esta localidade tem uma estrutura renovada onde os venezuelanos são registrados pela Polícia Federal e entram nas listas das Nações Unidas (ONU).

    Além disso, lá eles são vacinados ou temporariamente isolados caso cheguem ao Brasil com doenças contagiosas e recebem orientação de técnicos do Ministério do Desenvolvimento Social do Brasil.

    Mais:

    Roraima vai ao STF para fechar fronteira com a Venezuela
    Moradores de cidade em Roraima queimam pertences de venezuelanos
    Medo e falha do Estado explicam xenofobia contra venezuelanos em Roraima, diz ativista
    Tags:
    diplomacia, direitos humanos, crise na venezuela, refugiados venezuelanos, ONU, Suely Campos, Michel Temer, Venezuela, Pacaraima, Boa Vista, Roraima, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik