13:11 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Ex-presidente Lula com a senadora curitibana Gleisi Hoffmann, do PT

    Lula celebra absolvição de Gleisi e vê 'vitória' no caminho da sua busca por habeas corpus

    Ricardo Stuckert
    Brasil
    URL curta
    143

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) comemorou nesta quarta-feira a absolvição da presidente do seu partido, a senadora Gleisi Hoffmann (PR), decidida um dia antes pelo Supremo Tribunal Federal (STF), inocentando-a das acusações de corrupção.

    Em uma carta escrita na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde está preso, Lula salientou que a absolvição de Gleisi foi "uma grande vitória para a democracia e o Estado de direito contra aqueles que estão tentando impor uma carta regime de exceção contra o PT e as mais importantes forças populares e democráticas do país".

    Os juízes do Supremo absolveram na terça-feira Gleisi e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, por unanimidade. Eles não aceitaram a acusação de que a senadora e o marido tivessem usado dinheiro desviado da Petrobras para a campanha dela de 2010.

    Na carta, Lula comemorou que a decisão do STF foi tomada apesar da "imensa pressão da Rede Globo" (principal grupo de comunicação no Brasil, que o ex-presidente acusou de construir uma história contra o PT e seus líderes).

    Além disso, o ex-presidente ressaltou que é a primeira vez que o Supremo "reage claramente" à "indústria de delações", desmoralizando, assim, o discurso e a prática da investigação conhecida como Operação Lava Jato.

    Desde o início da operação, Lula sempre foi muito crítico dela, considerando que os investigadores e promotores abusaram de seu poder e construíram falsas alegações baseadas em confissões negociados com criminosos, que em troca recebem benefícios legais "e até mesmo financeira", de acordo com o ex-presidente na carta.

    "Não espere nada de quem acusa você falsamente, mas tenho certeza de que o povo brasileiro vai reconhecer o seu exemplo de coragem e integridade para enfrentar a máquina de mentiras da Lava Jato e da Rede Globo", pontuou Lula, que confia que "de vitória em vitória" irá se restaurar a esperança na democracia, justiça e igualdade.

    Lula está preso desde 7 de abril em Curitiba, cumprindo uma sentença de 12 anos e um mês de corrupção, uma decisão que ele considera injusta, dizendo-se vítima de uma perseguição judicial e mídia. Na sua opinião, o que se quer é evitar que ele participe das eleições de outubro, na qual aparece como o favorito.

    Em 26 de junho, o STF julgará mais um pedido da defesa de Lula para que ele deixe a prisão e possa continuar apelando contra a sua condenação em liberdade.

    Mais:

    Cadernos do Cárcere: Lula será comentarista da Copa na TVT
    Lula depõe sobre Rio-2016: 'não tenho complexo de vira-lata'
    Lula foi julgado por motivos políticos e não por motivos legais, diz acadêmico
    Tags:
    habeas corpus, Operação Lava Jato, corrupção, Eleições 2018, Petrobras, Polícia Federal, STF, PT, Paulo Bernardo, Gleisi Hoffmann, Luiz Inácio Lula da Silva, Curitiba, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik