00:32 17 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Militares das Forças Armadas fazem operação em comunidades do Rio

    Intervenção federal no Rio pode ser prorrogada até 2019

    Vladimir Platonow / Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    1 0 0
    Nos siga no

    O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou nesta sexta-feira (16) que a intervenção federal no Rio de Janeiro pode ser prorrogada até o fim de 2019. O decreto atual autoriza a permenência dos militares no Rio até 31 de dezembro deste ano.

    De acordo com o ministro, a questão da intervenção federal deve ser avaliada pelo futuro governador e o próximo presidente da República. 

    "Dado o avanço que vai acontecer, eu acredito que o futuro governante do Rio de Janeiro agiria de bom senso se dispuser-se a prolongar pelo menos por mais um ano esta intervenção. Porque é o tempo necessário para que a gente possa concluir o legado. Se nós tivermos mais tempo, melhores resultados virão", disse Jungmann. 

    “Eu tenho certeza de que esta reestruturação das polícias que é feita aqui pelas Forças Armadas está no bom caminho. Mas se você pensar que Medelin precisou de oito anos, Bogotá precisou de nove anos, Cidade Juarez precisou de cinco anos, evidentemente, eu entendo que, se não na total intensidade, pelo menos deveria continuar por mais algum tempo”, acrescentou o ministro. 

    Jungmann destacou que a proposta de prorrogar por mais um ano a intervenção federal deve apresentar resultados positivos em relação à queda da criminalidade. 

    "Mas se você imaginar o grau de sucateamento a que chegou o sistema de segurança do Rio de Janeiro, a gente tem que dar mais tempo ao tempo, para reciclar, formar, qualificar, para equipar esse pessoal, para retreinar, para dar um senso de auto-estima a essa polícia”, acrescentou.

    Mais:

    Intervenção na segurança do Rio ainda não apresentou planos, diz líder do setor hoteleiro
    Tags:
    operação, intervenção, Intervenção Militar no Rio de Janeiro, Raul Jungmann, Brasil, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar