23:56 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Seleção brasileira de futebol.

    Copa do Mundo é chance para futebol reconquistar prestígio com o brasileiro

    © AP Photo / Michel Euler
    Brasil
    URL curta
    118
    Nos siga no

    Às vésperas da Copa do Mundo de 2018, foi divulgado um estudo que mostra que o Brasil não é mais o “país do futebol”, evidenciando uma queda no interessse do brasileiro pelo esporte. A Sputnik Brasil conversou com o cientista político Ricardo Ismael sobre as causas do atual desinteresse do brasileiro em relação ao futebol.

    De acordo com o levantamento da empresa de informação, dados e medições Nielsen Sports, que estabeleceu um ranking com 30 países de acordo com a porcentagem da população que se diz interessada em futebol, apenas 60% dos brasileiros demonstram interesse pelo esporte mais popular do planeta, figurando como no 13.º lugar do ranking liderado pelos Emirados Árabes Unidos (80% da população aficionados), seguido por Tailândia (78%) e Chile, Portugal e Turquia (os três com 75%). 

    O cientista político e professor da PUC-RJ, Ricardo Ismael, em entrevista à Sputnik Brasil, afirmou que a crise econômica é um dos motivos que afetam a falta de interesse pelo futebol, mas uma boa campanha deve garantir uma mobilização nacional durante a Copa do Mundo. 

    "A gente atravessa um período muito difícil, tanto a nível nacional, quanto a nível do Rio de Janeiro e outros estados, a crise econômica, a partir de 2015, veio com muita força. Diria, inclusive, que são 4 anos para esquecer", observou. 

    De acordo com o especialista, os problemas relacionados à economia, política, desemprego, etc., afetaram diretamente a rotina dos brasileiros nos últimos anos, mas destacou que isso não atrapalha o clima de festa na Copa do Mundo se o Brasil for bem na competição. 

    "A gente tá começando a Copa do Mundo […] No início da Copa do Mundo a gente aguarda o desempenho do time brasileiro. Se a coisa realmente 'pegar', começar a ter um time competitivo, o time for avançando, vai acontecer como acontece em toda Copa, os brasileiros vão ficar mobilizados. Essa mobilização vai surgir naturalmente, porque é difícil imaginar uma indiferença se o Brasil começar a ter uma boa participação nessa Copa do Mundo", destacou. 

    O cientista político destacou que quando começa a Copa do Mundo e o jogo do Brasil, o brasileiro se desliga dos problemas em torno do país, mas isso não representa uma espécie de alienação aos problemas internos.  

    "Assim, essa ideia de que o futebol é uma válvula de escape do brasileiro, como a 'cervejinha' no final de semana, isso continuou tendo. Acho que os campeonatos brasileiro e estaduais, a libertadores, continuaram tendo uma audiência das torcidas. Agora, o brasileiro não esquece o que está acontecendo no país, o que tá acontecendo na vida dele", disse o professor da PUC-RJ.

    "Então eu diria que essa Copa deste ano é uma Copa de um país que está a cinco meses de uma eleição, que muita gente não sabe em quem votar, e, pior, muita gente não sabe se essa eleição consegue melhorar as coisas", disse Ismael, acrescentando que não há uma relação direta entre uma eventual vitória do Brasil com uma alienação da população em relação aos problemas do país. 

    "É natural que se a seleção conseguir corresponder e for um time competitivo, talvez a gente consiga chegar ao título. E aí, não tenho dúvidas, vai ser um momento de festa. Mas não vai ser uma festa no sentido de esquecer os problemas. Essa alienação não existe já há muito tempo", concluiu. 

     

    Mais:

    Cristiano Ronaldo é o nome do segundo dia da Copa (FOTOS)
    Secar a Argentina na Copa não é pecado, diz padre brasileiro
    Torcedor incomum: Pelo Twitter, Israel deseja boa sorte para inimigo Irã na Copa do Mundo
    Cadernos do Cárcere: Lula será comentarista da Copa na TVT
    Tags:
    seleção, população, crise, futebol, Copa do Mundo Rússia 2018, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar