10:38 21 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Petrobras bate recorde de produção em 2016

    Petroleiros podem entrar em greve e denunciam governo na OIT

    Vitoria Velez/AFP
    Brasil
    URL curta
    533

    Federação Única dos Petroleiros (FUP) denuncia governo brasileiro na Organização Internacional do Trabalho (OIT) e anuncia calendário de ações para possível greve.

    A denúncia foi feita na sexta-feira (8), e está relacionada com as multas aplicadas pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) ao movimento de greve de 72 horas, aplicadas em 29 de maio. A multa inicial, de R$ 500 mil por dia, quadruplicou na manhã seguinte e atingiu R$ 2 milhões, interrompendo a paralisação.

    A prática foi considerada antissindical pelos dirigentes da organização e denunciada no Comitê de Liberdade Sindical da OIT. A denúncia feita em conjunto com a Central Única dos Trabalhadores (CUT) aponta que a aplicação de multas trata-se de uma tentativa de suprimir o direito de greve, presente tanto na Constituição brasileira quanto na Convenção nº 87 da OIT.

    Para os dirigentes ouvidos pela Sputnik Brasil, o governo brasileiro de Michel Temer já está desmoralizado no cenário internacional e a denúncia é apenas mais um fator nesse processo. A questão trabalhista é mais um motivo de desmoralização. 

    No dia 27 de maio deste ano, a OIT já havia colocado o Brasil em sua lista suja de 24 países violadores das normas trabalhistas internacionais.

    Na ocasião da 107ª Conferência Internacional do Trabalho, realizada em Genebra, o atual ministro do trabalho, Helton Yomura (PTB), chegou a rebater a decisão da organização por considerar a medida uma "escolha político-ideológica". 

    Outro ministro que rebateu a OIT foi o chanceler brasileiro, Aloysio Nunes, que acusou a organização de "politização" do processo de escolha da chamada lista suja.

    Petroleiros seguem movimento para construção de nova greve

    Ao longos das últimas semanas, a Federação Única dos Petroleiros tem se reunido com o intuito de organizar uma nova greve.

    Os dirigentes da organização tentam contornar os efeitos das multas aplicadas pela Justiça, e se reuniram nesta terça-feira (12) no Rio de Janeiro para decidirem um novo calendário de mobilização. As datas serão divulgadas até amanhã, quarta-feira (13) e incluem novas reuniões com o intuito de organizar uma possível paralisação.

    A FUP tem se posicionado contra o que chama de processo de privatização das estatais brasileiras, incluindo a Petrobras e a Eletrobras.

    Na quinta-feira (7), a FUP organizou uma manifestação contra a 4ª rodada de leilões do pré-sal, que vendeu a empresas estrangeiras como a Shell, a ExxonMobill e a Chevron, os direitos de exploração de 3 áreas nas bacias de Campos e Santos pelo valor de R$ 3,15 bilhões.

    A manifestação foi organizada em frente ao prédio da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), no Centro do Rio de Janeiro.

    Mais:

    Rodrigo Maia defende 'diminuição' do tamanho da Petrobras: 'Não pode ser única'
    Ivan Monteiro é eleito presidente da Petrobras
    Moreira Franco diz que troca de comando na Petrobras não altera política de preços
    Temer nomeia novo presidente da Petrobras
    Pedro Parente pede demissão da Petrobras
    Grupos pró-ditadura miravam caminhões da Petrobras desde fevereiro, diz jornal
    Tags:
    direitos trabalhistas, reforma trabalhista, petroleiros, petrobras, CUT, Organização Internacional do Trabalho (OIT), Chevron, ExxonMobil, Shell, Aloysio Nunes, Bacia de Campos, Santos, Rio de Janeiro, Genebra, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik