06:44 16 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Pelé levanta a Taça Jules Rimet depois da vitória do Brasil sobre a Itália por 4 a 1 na final da Copa do Mundo, em 21 de junho de 1970, na Cidade do México.

    Na 'ex-Pátria de Chuteiras', jogadores já não são ídolos e na política não têm voz

    © AFP 2018 / Arquivo
    Brasil
    URL curta
    Igor Patrick
    11102

    Quando famílias se reuniam em torno do rádio para ouvir a narração do jogo da Seleção, atletas do futebol foram ferramenta de propaganda (e alienação política). Em 2018 de Copa e eleições, Neymar fala aos seus milhões no Instagram, mas para a campanha em outubro não deve ter qualquer influência. O que mudou?

    Era quarta-feira, 3 de setembro de 1969 quando os gramados do Estádio Governador Magalhães Pinto, o Mineirão, se pintaram de verde e amarelo de um lado e vermelho e branco do outro. Uma noite memorável na história do futebol do Brasil: a Seleção Brasileira de Futebol - sob comando de João Saldanha vinda de uma sequência de seis vitórias em seis partidas, com 23 gols marcados e apenas 2 sofridos - e a equipe do Atlético Mineiro, usando uniforme pouco habitual em referência às cores da bandeira da Federação Mineira de Futebol.

    A mera indicação das duas equipes já seria fato curioso o suficiente, aquela noite seria também histórica por outros motivos: era o início de um dos mais clássicos exemplos do uso do futebol como arma política.

    Nas arquibancadas do estádio, um torcedor incomum observava a partida: o general Emílio Garrastazu Médici, que dali a poucas semanas, após um período de 60 dias de governo por uma junta militar devido ao derrame cerebral do marechal Artur da Costa e Silva, se tornaria o terceiro presidente da Ditadura brasileira.

    Torcedor inconteste do Internacional, Médici observava atentamente um jogador em especial, Dario José dos Santos, o Dadá Maravilha, que pouco tempo antes tinha liderado uma vitória contra o Colorado gaúcho. Dono da incrível marca de 40 gols na temporada de 1969, o carioca à época já se firmava como estrela do Atlético. Era também conhecido pela pouca disciplina e pelas declarações provocativas à imprensa esportiva. Talvez por isso, odiado pelo técnico João Saldanha. A quem quisesse ouvir dizia: “Na minha seleção, Dadá não joga. No Brasil há pelo menos dez centroavantes melhor que ele”.

    “Diga a João Saldanha que a Seleção está invicta porque não enfrentou o Dadá”, alardeou o jogador. A provocação atiçou os nervos da seleção, um dos fatores que podem ter contribuído para a magistral derrota da Canarinho. Aos olhos de 70 mil torcedores, o Brasil perdeu para o Atlético por 2 a 1, com gol da vitória marcado por Dadá.

    Dadá ainda recorda o episódio. Em entrevista à Sputnik Brasil, o jogador conta a reação. “O Médici logo disse ‘esse cara tem que ir para a Seleção, ninguém pega ele na velocidade. O Saldanha [falando à imprensa] rebateu: ‘Ele [Médici] escala o ministério, eu convoco a seleção’. A imprensa voltou no presidente e ele disse ‘Tira ele [Saldanha] e manda sair todo mundo’”.

    João Havelange, posteriormente presidente da FIFA, foi ter com o treinador. Ainda tentou convencê-lo a ceder à vontade do militar, lembra Dadá, sem sucesso. Diante da ordem, foi o responsável por comunicar a demissão. Para a história, ele seria conhecido como “João Sem-Medo”. Na época, contudo, perdeu a chance de liderar a equipe com craques como Pelé e Rivelino, ganhadora da terceira Copa do Mundo e considerada a melhor Seleção da história.

    Dadá, como queria o general, foi convocado. E começou aí a intervenção militar na Seleção, usada como exemplo máximo do sucesso do regime. Pesquisador do Núcleo de Estudos sobre Futebol, Linguagem e Artes da Universidade Federal de Minas Gerais (FALE/UFMG), Élcio Cornelsen estuda há décadas a relação do esporte com a política no Brasil. Ele conta que a intervenção do ditador na lista de convocados foi apenas um ponto de um projeto muito maior.

    “A relação entre política e futebol naquele contexto da Copa de 70 é muito mais profunda do que isso. Houve uma intervenção militar na própria preparação da equipe brasileira, que começou em 68, com a comissão técnica composta por membros da Escola Superior de Educação Física do Exército, com Cláudio Coutinho e Carlos Alberto Parreira, oficiais com níveis de capitão”, conta Cornelsen. Com a conquista do título, veio o uso político. “A  gente percebe pelas imagens da época, com fotografias, filmes [como foi usado]”.

    Os jogadores foram recebidos como heróis. Mais um capítulo de uma tradição longa em misturar futebol e política.

    • O meia Pelé dribla o zagueiro italiano Tarcisio Burgnich durante a final da Copa do Mundo, em 21 de junho de 1970, na Cidade do México. Pelé marcou o primeiro gol do time, que venceu a Itália por 4 a 1 e conquistou seu terceiro título mundial depois de 1958 (na Suécia) e 1962 (no Chile).
      O meia Pelé dribla o zagueiro italiano Tarcisio Burgnich durante a final da Copa do Mundo, em 21 de junho de 1970, na Cidade do México. Pelé marcou o primeiro gol do time, que venceu a Itália por 4 a 1 e conquistou seu terceiro título mundial depois de 1958 (na Suécia) e 1962 (no Chile).
      © AFP 2018 / Arquivo
    • Jairzinho é carregado pelos torcedores depois do Brasil derrotar a Itália por 4 a 1 na final da Copa do Mundo, em 21 de junho de 1970, na Cidade do México.
      Jairzinho é carregado pelos torcedores depois do Brasil derrotar a Itália por 4 a 1 na final da Copa do Mundo, em 21 de junho de 1970, na Cidade do México.
      © AFP 2018 / Arquivo
    • Pelé comemora com seus colegas de equipe Tostao, Carlos Alberto e Jairzinho durante a final da Copa do Mundo entre Brasil e Itália.
      Pelé comemora com seus colegas de equipe Tostao, Carlos Alberto e Jairzinho durante a final da Copa do Mundo entre Brasil e Itália.
      © AFP 2018 / Arquivo
    • Pelé levanta a Taça Jules Rimet depois da vitória do Brasil sobre a Itália por 4 a 1 na final da Copa do Mundo, em 21 de junho de 1970, na Cidade do México.
      Pelé levanta a Taça Jules Rimet depois da vitória do Brasil sobre a Itália por 4 a 1 na final da Copa do Mundo, em 21 de junho de 1970, na Cidade do México.
      © AFP 2018 / Arquivo
    • Pelé (em cima) chora ao abraçar o meia Gerson depois de o Brasil derrotar a Itália por 4 a 1 na final da Copa do Mundo, em 21 de junho de 1970, na Cidade do México.
      Pelé (em cima) chora ao abraçar o meia Gerson depois de o Brasil derrotar a Itália por 4 a 1 na final da Copa do Mundo, em 21 de junho de 1970, na Cidade do México.
      © AFP 2018 / Arquivo
    1 / 5
    © AFP 2018 / Arquivo
    O meia Pelé dribla o zagueiro italiano Tarcisio Burgnich durante a final da Copa do Mundo, em 21 de junho de 1970, na Cidade do México. Pelé marcou o primeiro gol do time, que venceu a Itália por 4 a 1 e conquistou seu terceiro título mundial depois de 1958 (na Suécia) e 1962 (no Chile).

    De rivalidades à integração nacional, o futebol como arma política

    A Copa de 70 pode ter entrado para a história pela intervenção do general, mas o precedente vem de muito antes. Como conta Cornelsen, o futebol como arma de poder data de 40 anos antes. À época, a rivalidade entre o estado do Rio de Janeiro e de São Paulo causou um racha, responsável por levar ao Uruguai apenas atletas cariocas.

    “Houve uma dissidência entre a Confederação Brasileira de Desportos (CBD), fundada em 1914 de âmbito nacional e a Associação Paulista de Esportes Atléticos (APEA). A APEA pretendia forçar a CBD a integrar a federação paulista na comissão técnica, a CBD se recusou e a APEA proibiu que jogadores afiliados a ela de disputar [a Copa]. Isso já estava no contexto político de uma rivalidade que culminaria com a Revolução de 1930 [golpe de Estado que derrubou o presidente paulista Washington Luís] e a Revolução Constitucionalista de 32 [guerra separatista que pretendia independentizar São Paulo]", conta o professor.

    Posteriormente, na Era Vargas, o esporte já profissionalizado foi a arma do governo não de legitimação da ditadura do Estado Novo, mas de integração nacional. Em 50, em plena industrialização, o Brasil usaria a Copa do Mundo sediada no país como vitrine para expor o país no âmbito mundial.

    “O Maracanã foi uma construção para passar a imagem simbólica de monumentalismo, de uma nação que se construía como um parceiro tanto no nível econômico quanto político”, avalia o pesquisador.

    Não por acaso, Nelson Rodrigues cunharia a expressão: “Brasil, a pátria de chuteiras”. Pelas seguidas utilizações, o esporte e a formalização do Estado-nação seriam indissociáveis.

    'O público consome Neymar celebridade, não Neymar jogador'

    “Futebol e política se misturam como água e sabão, e seria ainda melhor se um e outro fossem mais limpos do que são”. Assim o jornalista Juca Kfouri abre um capítulo de suas memórias no livro “Confesso que Perdi”. Considerado o mais importante cronista esportivo em atividade no Brasil, Juca acumula na memória o sem-número de vezes em que o esporte e os bastidores em Brasília foram a mesma coisa.

    Em 94, fosse a seleção derrotada nos Estados Unidos, Juca acredita que seria Lula o vencedor das eleições presidenciais daquele ano. Após a morte de Ayton Senna, “a única coisa que o brasileiro ainda se apegava” nas palavras do próprio Kfouri, era provável que o brasileiro acabasse optando por um político não tradicional. “Apareceu o tetra no bojo do Plano Real e as coisas se conjuntam de tal maneira que favorecem a eleição do professor Fernando Henrique Cardoso, que normalmente não seria eleito em um país como o Brasil, com aquele discurso e racionalidade”, avalia em entrevista à Sputnik.

    Curiosamente, é também neste período em que a própria trajetória pessoal de Juca se mistura com a política. Vencedor, FHC convida o jornalista para assumir o cargo de Ministro Extraordinário dos Esportes. Proposta recusada, ouve o presidente eleito pedir uma indicação. “Por que não Pelé?”, rebateu.

    Soa cartunesco. Como recorda, nos tempos de ditadura e ainda um aguerrido militante de esquerda, Juca constantemente criticava o Rei do Futebol pelo seu pouco envolvimento na política e sua aparente indiferença em relação ao governo militar. Acabou por tornar aquele que detestava em ministro.

    “Meu pai dizia ‘exija do Pelé que ele faça gols, Pelé é só um jogador de futebol’. Não gosto de pensar assim porque não acho que alguém seja uma coisa só e ponto, gostaria muito de ver os esportistas brasileiros tendo posturas como a do LeBron James em relação ao Trump, por exemplo. Mas o Pelé era um simplório e como tal, politicamente foi realmente um zero à esquerda e já não representa coisa nenhuma”, critica. A relação entre os dois ruiu quando o “Rei” usou de sua influência em Brasília para abafar uma CPI que investigaria a extensa rede de corrupção da CBF.

    O jornalista esportivo Juca Kfouri em audiência da Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a investigar a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e o Comitê Organizador Local da Copa do Mundo FIFA Brasil 2014 (COL).
    O jornalista esportivo Juca Kfouri em audiência da Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a investigar a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e o Comitê Organizador Local da Copa do Mundo FIFA Brasil 2014 (COL).

    Na Seleção atual, já não há ninguém para ocupar o vácuo de ídolos com influência, pensa o jornalista. E imaginar o uso político de um possível título como capital para qualquer pré-candidato é irrealista. Se em 94 Lula capitalizaria o desgosto nacional com a derrota, em 2018 já não há grande relevância dos jogadores e prestígio com a população.

    Élcio constrói seu argumento nessa direção. “Se avaliarmos 1998, o Brasil não venceu, mas FHC se reelegeu. No período globalizado, a identificação do brasileiro com a Seleção não tem mais a intensidade que tinha em outras épocas, quando jogadores atuavam no país. Causou um distanciamento do torcedor. Ainda há, obviamente, o interesse e a emoção em relação à equipe, não há mais aquela mobilização que se via na copa 70, 74, 78”.

    Em tempos de jogadores com milhões de seguidores no Instagram - o próprio Neymar em 2014 fez bombar a hashtag #SomosTodosMacacos contra o racismo no futebol, só para depois se descobrir que se tratava de uma campanha publicitária da agência Loducca (atual LDC) -, a forma de acompanhar o esporte também sofreu mudanças. 

    Autor de 'Futebol e poder: algumas reflexões sobre o jogo da política', artigo publicado em coletânea pela Editora Vozes, o jornalista José Esmeraldo Gonçalves argumenta que os jogadores atuais são consumidos como estrelas. 

    “Essa identificação passou a ser sazonal. O leitor se identifica com Neymar como celebridade. O Neymar da Bruna Marquezine, Neymar que comprou uma mansão e um helicóptero. Você se aproxima do jogador na Copa, ao longo do ano a gente o vê na Liga dos Campeões na Europa. Antes era com o clube [para o qual você torcia], a base da seleção vinda do Vasco, Botafogo, Flamengo. Não é mais como era antes, uma proximidade quase íntima”.

    Para Kfouri, o Brasil mais educado já não se deixa levar e os próprios jogadores já não arriscam suas imagens com o público - como atletas e como estrelas que são - ao conturbado cenário político nacional.

    “O país amadureceu, o brasileiro não se submete mais a isso. A Seleção sequer foi ao Palácio do Planalto se despedir, como era frequente e como se faz em boa parte do mundo até hoje. Acho bom separar essas coisas. Embora tenha toda a poesia que tem, a Copa do Mundo é um festival de futebol e só me resta torcer para que seja de bom nível”, conclui Juca.

    Médici ‘coração de dama’ e admiração ao ditador

    A relação entre a Granja Comary e o Palácio do Planalto pode ter se estremecido, mas permanece viva na memória dos craques do século passado. Dadá, que mesmo na reserva foi campeão em 70, sofreu a mesma pecha que Juca atribui a Pelé: foi acusado pelos intelectuais da época de colaboracionista do regime.

    Ele recusa o rótulo de “convocado pelo presidente”, mas não esconde a admiração pelo general autor do Ato Institucional nº 5 e até hoje considerado pela história o responsável moral pela maioria dos casos de torturas, assassinatos e sequestros do período militar. Também não gosta de pensar que teve a imagem usada pela ditadura. Prefere acreditar em uma relação de respeito mútuo.

    “Nós jogadores nos dávamos muito bem com os militares”, conta. Sobre as inúmeras denúncias de crimes políticos, se esquiva dizendo que “na época não se falava sobre isso”. E vai além. “Muitas das denúncias [de violação de direitos humanos] são manipuladas porque ninguém tem coragem de falar as coisas quando a pessoa está viva, mas quando morre fala até o que não aconteceu, coisa que sonhou”.

    Escolhido pelo ditador, Dadá ainda hoje diz que não se envolve em política “porque não quer virar ladrão”. Ídolo de outrora, o ex-jogador lembra com saudade do período negro da história brasileira. Tem saudade da ditadura. “Minha visão sobre Médici não mudou, ele é meu ídolo, sou fã dele porque o que eu soube verdadeiramente é que ele tinha um coração de dama”.

    Tags:
    Estádio Governador Magalhães Pinto, Copa do Mundo de 1930, Estado Novo, Revolução de 1930, Revolução Constitucionalista de 32, Copa do Mundo de 1970, Liga dos Campeões, Associação Paulista de Esportes Atléticos, Confederação Brasileira de Desportos, Escola Superior de Educação Física do Exército, Núcleo de Estudos sobre Futebol, Linguagem e Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, Federação Mineira de Futebol, Internacional, Atlético, Seleção Brasileira, CBF, Palácio do Planalto, Ministério dos Esportes, Ayton Senna, Cláudio Coutinho, Rivelino, Élcio Cornelsen, João Saldanha, Dadá Maravilha, Dario José dos Santos, Artur da Costa e Silva, Emílio Garrastazu Médici, Juca Kfouri, João Havelange, Fernando Henrique Cardoso, Pelé, Lula, Neymar, Estados Unidos, Uruguai, México, São Paulo, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik