15:44 24 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Médicos durante a cirurgia (imagem referencial)

    Cearense se torna 1ª mulher do mundo a ganhar canal vaginal de pele de peixe (FOTOS)

    © Fotolia / Remains
    Brasil
    URL curta
    2112

    Uma estudante brasileira se tornou a primeira mulher do mundo a ganhar reconstrução do canal vaginal com utilização de pele de tilápia.

    Jucilene Marinho, de 23 anos, originada do município de Lavras da Mangabeira, estado do Ceará, nasceu sem útero e colo uterino. Esta patologia acomete uma a cada 5.000 mulheres.

    Aos 15 anos de idade, Jucilene, que nunca menstruou, mas sentia dores menstruais, descobriu que o seu canal vaginal estava bloqueado por um tecido e que não tinha útero, colo de útero e ovários, comunica o jornal Correio da Manhã. A notícia a afligiu, pois sonhava em ter filhos.

    Em abril de 2017, Jucilene decidiu se someter a uma inovadora cirurgia — neovaginoplastia — na Universidade Federal do Ceará, tornando-se a primeira mulher do mundo a receber reconstrução do canal vaginal com pele de peixe, mais especificamente — pele de tilápia. O resultado bem-sucedido da cirurgia pioneira foi divulgado pela equipe médica somente agora.

    Na cirurgia inovadora é utilizada pele de tilápia para reconstruir canal vagina de pacientes portadoras da Síndrome de Rokitansky, também conhecida como agenesia vaginal. A síndrome provoca alterações no útero e na vagina, tornando o canal vaginal muito curto ou até mesmo inexistente.

    Em março, foi divulgado que na China uma mulher deu útero para sua filha que nasceu sem o órgão. Vinte médicos cirurgiões participaram da operação, onde foi utilizado um robô para transplantar o útero.

    Mais:

    Píton enorme passa por cirurgia depois de ter comido sapato (VÍDEO FORTE)
    Temer fará cirurgia cardíaca em São Paulo
    Coreia do Sul planeja 'ataque cirúrgico' para retirar Kim Jong-un do poder?
    Exoesqueleto inovador russo conquista mercado sul-coreano (VÍDEO)
    Tags:
    vagina, pele, órgãos, cirurgia, peixe, Ceará, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik