15:45 24 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Deputado federal Capitão Augusto (PR-SP) ao lado da policial Kátia Sastre

    Após matar bandido, PM 'esnoba' Bolsonaro e se filia a partido de condenado no mensalão

    © Foto : Divulgação / Facebook Capitão Augusto
    Brasil
    URL curta
    16616

    A policial militar Kátia Sastre, que ficou conhecida em todo o país após matar um bandido em frente à escola da filha em Suzano (SP), pretende trocar a farda pela Câmara dos Deputados, onde espera ocupar uma cadeira a partir de 2019.

    A PM decidiu se filiar ao Partido da República (PR) para disputar as eleições deste ano. O acordo para levar a PM para a legenda foi costurado pelo deputado federal Capitão Augusto (PR-SP), de acordo com o jornal O Estado de S. Paulo.

    "Estamos conversando agora e a gente vai terminar de conversar e, assim que resolver tudo direitinho, vamos dar notícia. Vamos conhecer, nos familiarizar e, se Deus quiser, vai dar tudo certo", declarou Kátia Sastre à publicação.

    A policial teve a oportunidade de conhecer a Câmara nesta terça-feira, quando parlamentares prestaram uma homenagem à ela no plenário. Também presente estava o deputado federal Major Olímpio (PSL-SP), que tentou levar a PM para a sigla cujo ícone hoje é o presidenciável Jair Bolsonaro.

    Há alguns dias, ela foi convidada para integrar o PSL e disputar as eleições estaduais em São Paulo, tentando uma vaga na Assembleia Legislativa (Alesp). Na ocasião, a policial dizia que ainda não era o momento de se pronunciar e que estava estudando a possibilidade.

    A PM teve a oportunidade de se encontrar em Brasília com outros colegas do PR, como o deputado federal Tiririca (SP) e o ex-deputado Valdemar Costa Neto, principal cacique da legenda e condenado no mensalão do PT, no início dos anos 2000.

    Pela regra eleitoral, a policial poderá se filiar apenas depois do PR a escolher oficialmente, o que deve acontecer na convenção do partido. Para militares da ativa com mais de 10 anos de serviço e sem cargo de alto comando na PM, a legislação é diferente – para os demais, é preciso estar filiado até seis meses antes da eleição para poder concorrer ao pleito.

    Kátia Sastre ficou nacionalmente conhecida no dia 13 de maio, após reagir a um assalto e matar um bandido em frente à escola onde estudam suas filhas em Suzano, na Grande São Paulo. A ação foi elogiada pela corporação e lhe rendeu uma condecoração do governador do estado, Márcio França (PSB).

    Mais:

    Relator do impeachment e condenado no mensalão são alvos de operação da PF
    Condenado pelo mensalão revela caixa 2 em 1998 e 2002 a FHC, Lula, Serra e Aécio
    Eleições 2018: Bolsonaro pode disputar Presidência por partido de condenado no mensalão
    Tags:
    filiação, corrupção, empoderamento, mulheres, Eleições 2018, Câmara dos Deputados, Polícia Militar, Partido Social Liberal (PSL), PR, Valdemar Costa Neto, Major Olímpio, Jair Bolsonaro, Capitão Augusto, Kátia Sastre, Suzano, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik