17:52 22 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Manifestantes em defesa da Petrobras, no Rio de Janeiro, em frente à sede da empresa

    Combustível para protestos: após caminhoneiros, petroleiros também anunciam greve

    © Sputnik / Solon Neto
    Brasil
    URL curta
    10151

    Em meio ao caos provocado pela greve dos caminhoneiros, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) também anunciou uma paralisação de 72 horas para protestar contra as políticas do atual governo para o setor dos combustíveis. Em entrevista à Sputnik Brasil, o diretor da FUP, Simão Zanardi, esclareceu melhor os motivos de sua mobilização.

    De acordo com Zanardi, que é também presidente do Sindicato de Petroleiros de Duque de Caxias (Sindipetro), as mudanças anunciadas pela Petrobras no ano passado, como o repasse de refinarias e terminais de logísticas para parceiros e o alinhamento dos preços da gasolina, do diesel e do gás liquefeito de petróleo (GLP) ao mercado internacional, foram percebidas pelos trabalhadores da área como fonte de grandes prejuízos para o povo brasileiro, uma vez que essas alterações teriam como único objetivo atender os interesses de acionistas e empresários estrangeiros. Para ele e seus colegas, essas e outras medidas adotadas pela atual administração não fazem sentido do ponto de vista da população e estão mergulhando o país numa grande crise. 

    A paralisação convocada pela FUP, a partir do primeiro minuto de quarta-feira, 30 de maio, visa a baixar os preços do gás de cozinha e dos combustíveis, protestar contra a privatização da Petrobras e a importação de derivados de petróleo e pedir a saída imediata do presidente da empresa, Pedro Parente, visto pelos petroleiros como um dos maiores responsáveis pelos atuais problemas do setor. 

    "Nós temos petróleo, nós temos refinarias e a gente não precisa ter essa variação de preços com o mercado internacional, onde o valor do petróleo é dado pelas guerras. A gente entende que o preço deveria ser o custo de produção", afirmou o diretor da FUP. 

    Devido à greve dos caminhoneiros, o governo federal anunciou algumas medidas para controlar os preços dos combustíveis. Segundo Zanardi, no entanto, essas medidas não resolvem o problema, uma vez que será mantido o alinhamento com o mercado internacional. 

    "A medida que o governo deveria tomar era colocar para funcionar as refinarias no Brasil. Nós temos 14 refinarias no país que estão funcionando com carga reduzida devido ao aumento das importações e distribuições de derivado", argumentou, acusando o governo de levar o país de volta a uma época neocolonial. 

    De acordo com Simão Zanardi, o governo federal deve rever imediatamente uma série de políticas que vêm adotando para, dessa forma, recuperar a soberania brasileira, hoje ameaçada pela dependência do capital multinacional. "Nós estamos vendendo petróleo e comprando derivados. E quem é o nosso principal fornecedor de derivados, de diesel e gasolina? Os Estados Unidos. Então, essa política que tem que ser desalinhada, em nome de uma coisa maior, que é chamada soberania. Num país que não tem soberania, que fica na dependência do capital multinacional, dos preços internacionais, a democracia fica fragilizada."

    Mais:

    Greve dos caminhoneiros: protestos seguem em 25 estados
    Caminhoneiros dizem que só estão esperando publicação de medidas para desocupar estradas
    Forças Armadas entram em ação mas protesto de caminhoneiros continua
    Greve dos caminhoneiros de 99 a 2018: mesma pauta, mesmo ministro, mesma apatia
    Tags:
    combustível, gás, diesel, gasolina, Sindipetro, Federação Única dos Petroleiros (FUP), Simão Zanardi, Rio de Janeiro, Duque de Caxias, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik