16:28 21 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Exército faz operação na favela Nova Holanda, no Complexo da Maré, zona norte do Rio de Janeiro.

    'Colocar exército na rua não garante segurança', diz ex-comandante sobre decreto de Temer

    © Foto : Tomaz Silva/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    222

    O presidente Michel Temer publicou um decreto no "Diário Oficial da União" desta terça-feira (22) em que autorizou o emprego das Forças Armadas durante as eleições de outubro deste ano.

    A Sputnik Brasil entrou em contato com o Coronel Íbis Pereira, ex-comandante-geral da Policia Militar do Rio de Janeiro, que disse que o emprego de Forças Armadas está previsto na Constituição, mas somente em casos extraordinários.

    "As Forças Armadas podem ser chamadas para suplementarem as ações das policias, o problema é que no Brasil ao invés de promover as mudanças que precisam ser feitas para a segurança pública nós temos insistido na convocação das Forças Armadas violando o mandamento constitucional, porque esse emprego deveria ser extraordinário e não ordinário", explicou.

    Enquete

    Nos últimos 10 anos, as Forças Armadas já foram mobilizadas mais de 60 vezes para dar suporte na segurança. Na sua opinião, colocar o exército na rua é solução para a violência?
    • Sim
      30.1% (485)
    • Não
      69.9% (1125)
    Votaram: 1610
    O decreto de Temer, sem detalhar como será a atuação dos militares, diz que a que a Presidência da República "autoriza o emprego das Forças Armadas para a garantia da votação e da apuração das eleições de 2018" e estabelece que "as localidades e o período de emprego das Forças Armadas serão definidos conforme os termos de requisição do Tribunal Superior Eleitoral".

    O Coronel Íbis Pereira disse que nos últimos dez anos, o país já mobilizou as Forças Armadas mais de 60 vezes em 17 Estados diferentes e não foi visto nenhuma mudança efetiva.

    "Não é despejando nas ruas contingentes de militares e policiais que vai resolver a questão da segurança pública. O Brasil é um país que não tem uma estrutura adequada de gestão da política de segurança", disse.

    Em 2014, a ex-presidente Dilma Rousseff convocou 30 mil militares para atuar em 326 cidades durante as eleições.

    Mais:

    9 países europeus apoiam criação de uma força de intervenção militar da União Europeia
    Mais de 60% dos cidadãos do Reino Unido preferem que Parlamento vote intervenção na Síria
    Moscou: acusações de ataques químicos na Síria visam justificar intervenção militar
    Se Lula se candidatar será necessária intervenção militar, diz general da reserva
    Intervenção na Líbia: Sarkozy teria usado tropas francesas em interesses pessoais?
    Tags:
    exército, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik