16:27 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, ao lado do presidente Michel Temer

    Eleições 2018: aliança entre Alckmin e Temer passa por garantir cargo ao atual presidente

    © Foto : Beto Barata/PR
    Brasil
    URL curta
    4 0 0

    Oficialmente, ambos os lados negam. Mas as tratativas para alianças a cinco meses das eleições presidenciais brasileiras entre o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e o presidente Michel Temer (MDB) continuam, e passam por pontos polêmicos.

    Um dos pontos considerados fundamentais para que o acordo saia do papel seria Alckmin garantir a Temer um cargo, caso vença o pleito em outubro. É o que informa o jornal Folha de S. Paulo nesta quinta-feira, indicando que o emedebista poderia se tornar embaixador.

    Contudo, diante dos números pouco otimistas demonstrados por Alckmin nas pesquisas de intenção de voto, uma outra saída defendida pelos aliados do tucano seria garantir a Temer um posto no governo de São Paulo, caso um dos dois pré-candidatos aliados do tucano – João Doria (PSDB) e Márcio França (PSB) – garantam a vitória rumo ao Palácio dos Bandeirantes.

    O que todas as proposições visam é garantir foro privilegiado ao atual presidente do Brasil. Tão logo deixe a Presidência da República, Temer terá de responder a duas denúncias que foram paralisadas pela Câmara dos Deputados – que tinha a prerrogativa de autorizar o prosseguimento – no ano passado.

    Sem foro privilegiado, Temer pode ver as duas denúncias contra ele – baseadas na delação premiada da JBS – serem enviadas para instâncias inferiores, aumentando as suas chances de ser preso. Há ainda outras duas investigações em andamento, no caso dos portos e do quadrilhão do MDB, que podem render problemas ao emedebista.

    De acordo com a Folha, advogados amigos do atual presidente não descartam que Temer possa ser alvo de busca e apreensão, ou ainda ser preso, tão logo perca o foro privilegiado. Oficialmente, o emedebista se diz vítima de uma perseguição e que não teme nada.

    O MDB ainda não definiu se lançará candidato à Presidência da República – algo que não ocorre desde 1994, com o ex-governador paulista Orestes Quércia. Com uma reprovação recorde acima de 70%, Temer dificilmente teria condições de se candidatar à reeleição, e há muito ceticismo em torno de uma candidatura do ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

    Há hoje uma pressão de caciques e senadores do MDB para que o partido opte pelo apoio a alguma candidatura mais próxima ao governo – além de Alckmin, surge a possibilidade de formar aliança com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM) –, liberando as alianças estaduais.

    Com a necessidade de oficialização das chapas apenas em agosto, as conversações devem prosseguir, e as candidaturas devem ganhar corpo entre junho e julho. Em comum, todos os partidos estão interessados em tempo de televisão e recursos (a divisão parte de quem possui as maiores bancadas, como é o caso do MDB).

    Mais:

    Temer faz balanço do governo: otimismo na economia e silêncio sobre escândalos
    'O Brasil voltou, 20 anos em 2': Temer desiste de slogan por uma vírgula
    Temer ou Meirelles: quem será o candidato do MDB?
    Tags:
    corrupção, foro privilegiado, coligação, aliança, política, Eleições 2018, PMDB, MDB, JBS, DEM, PSB, STF, PSDB, Rodrigo Maia, Márcio França, João Doria, Geraldo Alckmin, Henrique Meirelles, Michel Temer, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik