09:38 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Marielle Franco, vereadora pelo PSOL, assassinada na noite do dia 14 de março

    Marielle, 2 meses: ligação entre vereador e milicianos é a principal linha da polícia

    © Foto : Dayane Pires/CMRJ
    Brasil
    URL curta
    230

    O assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do seu motorista, Anderson Gomes, no Rio de Janeiro, completa exatos dois meses nesta segunda-feira. Até o momento, ninguém foi preso ou acusado pelo crime, mas a principal linha de investigação suspeita de um vereador e de milicianos como mandantes do crime.

    Com base no relato de uma testemunha, que seria da Polícia Militar do Rio, os investigadores trabalham com a tese de que Marielle foi assassinada a mando do vereador Marcello Siciliano (PHS), e do ex-policial Orlando Oliveira de Araújo, conhecido como Orlando Curicica, que seria chefe de uma milícia e está preso.

    Ambos já negaram qualquer envolvimento no crime, mas voltarão a ser ouvidos nesta semana pela Polícia Civil do Rio, responsável pelas investigações. A motivação para o assassinato de Marielle seria o avanço de suas ações em defesa de vítimas de milicianos em comunidades carentes da capital fluminense, que estaria desagradando os mandantes.

    Embora negue veementemente ter qualquer ligação com milicianos, Siciliano teve áudios seus divulgados neste domingo pelo Fantástico, da Rede Globo. Neles, o vereador conversa animadamente com um miliciano, contrariando o que disse anteriormente. Apesar das suspeitas, o vereador nunca foi denunciado por envolvimento com milícias.

    Na gravação, Siciliano pede para inaugurar uma obra em uma área comandada pelo miliciano que está do outro lado da linha. Em outra ligação, o homem pede ao vereador que acione policiais do 31º Batalhão da PM, a fim de prenderem o assassino de um outro colega miliciano na zona oeste da cidade.

    De acordo com a testemunha, no carro que levava os assassinos de Marielle e de seu motorista estavam quatro homens: um policial militar da ativa; um ex-PM, miliciano da zona oeste; e outros dois milicianos.

    Embora os principais suspeitos de serem mandantes do crime neguem, a mesma testemunha também apresentou um número de telefone que teria sido usado pelos assassinos para trocarem informações sobre os homicídios. De acordo com o jornal O Globo, ele bate com um dos números que estava em posse dos investigadores.

    Mais:

    OEA quer explicações sobre execução de Marielle Franco
    Vereador e miliciano queriam morte de Marielle, diz delator
    Câmera que monitorava local do assassinato de Marielle foi desligada na véspera do crime
    Tags:
    milícia, violência, assassinato, política, corrupção, direitos humanos, Polícia Militar, Orlando Oliveira de Araújo, Marcello Siciliano, Marielle Franco, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik