23:15 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin

    Suposto operador do PSDB estuda delação e pode complicar sonho presidencial de Alckmin

    Eduardo Saraiva/ A2IMG/FotosPúblicas
    Brasil
    URL curta
    450

    Preso desde o dia 6 de abril, o engenheiro Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, estuda fazer uma delação premiada e revelar detalhes sobre as contas atribuídas a ele na Suíça, algo que pode representar problemas ao PSDB e ao presidenciável tucano Geraldo Alckmin.

    Nomeado pelo ex-governador de São Paulo em junho de 2005, Souza é acusado de desviar recursos públicos durante as gestões tucanas entre os anos de 2009 e 2011, durante os governos de José Serra, Alberto Goldman e do próprio Alckmin.

    Uma fonte revelou ao jornal Folha de S. Paulo que o engenheiro tem "pensado muito" na possibilidade de uma colaboração premiada, mas que uma decisão final ainda não foi tomada. Contudo, diante do avanço das investigações, ele deve decidir a respeito em breve.

    Em colaboração com autoridades suíças, investigadores brasileiros descobriram que Souza tinha 35 milhões de francos suíços em 2016 naquele país – R$ 113 milhões à época. No ano passado, o montante foi transferido para um banco nas Bahamas.

    Segundo o Ministério Público, Paulo Preto comandou o desvio de dinheiro em obras como trecho Sul do Rodoanel, o prolongamento da avenida Jacu Pêssego e da Nova Marginal Tietê, em São Paulo, quando era diretor da Desenvolvimento Rodoviário (Dersa).

    Segundo o Ministério Público, as movimentações das contas em valores superiores a R$ 2,5 milhões, entre 2009 e 2010, são "incompatíveis com o cargo público ocupado".

    Na Operação Lava Jato, o operador financeiro Adir Assad afirmou ter repassado R$ 100 milhões a Souza, dinheiro que serviria, entre outras coisas, para o financiamento de campanhas do PSDB via caixa 2. No Estado de São Paulo, o ex-diretor da Dersa supostamente seria o centralizador dos recursos.

    No inquérito contra Serra, Souza aparece justamente como um elo entre as empreiteiras e recursos irregulares para suas campanhas eleitorais. O engenheiro foi denunciado em março pelo desvio de R$ 7,7 milhões entre 2009 e 2011.

    Em notas oficiais, o PSDB paulista negou qualquer irregularidade, ressaltando que todas as doações feitas ao partido foram declaradas à Justiça Eleitoral. Já a Dersa se diz grande interessada, sobretudo em prol do eventual ressarcimento dos cofres públicos.

    Da sua parte, Alckmin sempre negou conhecer o suposto operador do PSDB, apesar de ter sido o responsável por sua nomeação. Nos bastidores tucanos, o atual ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, é tido como o padrinho político de Souza.

    Mais:

    Citado em inquérito contra Serra, ex-diretor da Dersa tinha R$ 113 mi na Suíça
    Lava Jato: Operador de Serra já repassou recursos para ex-amante de FHC
    Doria quer ser governador para se lançar à Presidência do Brasil, diz ex-líder do PSDB
    Tags:
    propina, política, Caixa 2, operador, rodoanel, Operação Lava Jato, PSDB, Dersa, Adir Assad, Paulo Vieira de Souza, Paulo Preto, Aloysio Nunes Ferreira, José Serra, Geraldo Alckmin, Suíça, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik