02:46 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Petrobras mostra recuperação no balanço do segundo semestre

    Propinas a operador do MDB e agentes da Petrobras são foco de nova fase da Lava Jato

    Tânia Rêgo/Agência Brasil/Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    1 0 0

    A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) deflagraram na manhã desta terça-feira mais uma fase da Operação Lava Jato, com o foco voltado a três ex-executivos da Petrobras e três operadores financeiros, um deles com possível ligação com o MDB, partido do presidente Michel Temer.

    Intitulada Deja Vu, a operação investiga o pagamento de propinas de aproximadamente R$ 200 milhões pela Odebrecht, entre 2010 e 2012, a três funcionários da estatal de petróleo brasileira e a três operadores, um deles vinculado ao MDB, para obter um contrato com a Petrobras de US$ 825 milhões.

    Os alvos dos pedidos de prisão são Mario Ildeu de Miranda, Ulisses Sobral Calile, Aloísio Teles Ferreira Filho, Rodrigo Zambrotti Pinaud, Sérgio Boccaleti, e Ângelo Tadeu Lauria.

    Só políticos do MDB, por meio de um dos operadores, teria recebido US$ 31 milhões, segundo os investigadores. O contrato que a Odebrecht tinha interesse visava a prestação de serviços para a Petrobras em nove países, de acordo com o MPF. As ilegalidades foram comprovadas por meio de delações premiadas e cooperação internacional com a Suíça.

    Além de estratégias de ocultação de valores e dissimulação de operações financeiras, os investigados teriam utilizado doleiros e empresas offshore em paraísos fiscais para realizar a lavagem de dinheiro e os repasses aos executivos e políticos, ainda de acordo com os investigadores da Lava Jato.

    Autorizada pelo juiz federal Sérgio Moro, esta 51ª fase da Lava Jato visa cumprir seis mandados de prisão (quatro de prisão preventiva e dois de prisão temporária) e 15 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, Paraty, Niterói, Jacuecanga, Petrópolis, Duque de Caxias, Areal e Miguel Pereira – todos no Estado do Rio –, Guaratinguetá (SP), e Vitória (ES).

    Mais:

    Ex-assessor de José Dirceu e lobista do MDB são alvos de desdobramento da Lava Jato
    Relator da Lava Jato no STJ nega habeas corpus para Lula
    Defesa de Lula denuncia 'cooperação ilícita' entre Brasil e EUA durante Lava Jato
    Tags:
    offshore, política, propina, lavagem de dinheiro, corrupção, Operação Lava Jato, Petrobras, Odebrecht, PMDB, MDB, Michel Temer, Sérgio Moro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik