15:44 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Jair Bolsonaro em protesto contra Lula em 4 de abril de 2018.

    Com Alckmin estagnado nas pesquisas, Bolsonaro é o novo candidato do agronegócio?

    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Brasil
    URL curta
    Thales Schmidt
    422429

    O pré-candidato presidencial e deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) foi recebido com faixas e gritos na maior feira do agronegócio do país: a Agrishow, realizada anualmente em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Com o tucano Geraldo Alckmin patinando nas pesquisas eleitorais, o campo vai embarcar na candidatura de Bolsonaro?

    O político do PSDB ainda precisa ganhar fôlego para mostrar que poderá levar as eleições. Alckmin não lidera as intenções de voto contra Bolsonaro até mesmo em São Paulo — berço eleitoral do tucano. Já o ex-capitão do Exército lidera as pesquisas nos cenários em que o ex-presidente Lula não aparece entre as opções de voto. 

    ​Além disso, recentemente Frederico D’Ávila, diretor da Sociedade Rural Brasileira, afirmou à Folha de S. Paulo que trocou a candidatura de Alckmin pela de Bolsonaro porque o tucano "quer juntar demais e desagradar de menos".

    O cientista político e professor do Insper Carlos Melo, todavia, enxerga com ceticismo a possível união entre Bolsonaro e o agronegócio.

    "Existe uma parte do agronegócio que é mais conservadora, uma posição mais reativa aos movimentos sociais sem terra e sempre houve identidade desse setor com candidatos mais conservadores. Mas o agronegócio não é só isso, o agronegócio é uma grande indústria moderna e de exportação. Eles não estão olhando apenas para esse aspecto, eles também olham para propostas no campo da economia, da infraestrutura, do desenvolvimento. E por enquanto o Jair Bolsonaro não teve muito a dizer a respeito disso", disse Melo em entrevista à Sputnik Brasil.

    O professor do Insper destaca que, dada a importância do agronegócio na economia brasileira e o tamanho de sua organização no Congresso por meio da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), todos os partidos e pré-candidatos precisam conversar com este grupo. Entre Câmara dos Deputados e Senado, a FPA reúne mais de 200 representantes.

    Além de Bolsonaro, e do próprio Alckmin, os pré-candidatos Aldo Rebello, Ciro Gomes e Henrique Meirelles têm agenda prevista na Agrishow — que promete movimentar R$ 2,3 bilhões em negócios. 

    Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin
    Eduardo Saraiva/ A2IMG/FotosPúblicas
    Carlos Melo acredita que a disputa entre Bolsonaro e Alckmin representa uma dificuldade das forças políticas do "centro para a direita" de se aglutinarem e escolherem um representante:

    "O setor conservador sempre existiu. O que houve é que a partir do ocaso do malufismo, ele perdeu um representante orgânico. Houve no passado o Jânio Quadros, os candidatos da antiga Arena, o partido de apoio aos governos militares, e o próprio Paulo Maluf. E desde então quem ocupou esse espaço do centro para a direita foi o PSDB, não porque o partido tivesse essa natureza, mas porque havia um espaço vago em que o PSDB se ocupou eleitoralmente dele. No entanto, com o surgimento do Bolsonaro, o PSDB perde uma parte importante desse patrimônio eleitoral que ele vinha apresentando pelo menos desde 2002. Então o espaço do centro fica muito menor, nos não sabemos qual é o espaço do centro. Quando nós pensamos no centro, pensamos na candidatura de Alckmin, mas qual o espaço que o Alckmin tem para crescer? Alckmin tem um espaço e tem dois muros ao seu lado, à direita há o Bolsonaro e à esquerda há o Ciro Gomes e o PT."

    Mais:

    Temer é hostilizado ao visitar local do desabamento em SP
    Acuado por denúncias, Temer cancela viagem internacional
    Presidente Temer diz que Brasil buscará acordo de livre comércio com Chile
    Temer diz que denúncias de corrupção são 'ataques à sua família' e que vai se defender
    Temer se compara a Tiradentes e desafia oposição a fazer governo melhor (VÍDEO)
    Rede protocola outro pedido de impeachment contra Michel Temer
    Tags:
    Geraldo Alckmin, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik