10:49 18 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Apoiador do ex-presidente Lula segura bandeira com rosto do petista em Curitiba

    'Intolerância e covardia', diz Gleisi Hoffmann sobre tiros contra acampamento pró-Lula

    © REUTERS / Rodolfo Buhrer
    Brasil
    URL curta
    865

    Na madrugada deste sábado (28), o acampamento Marisa Letícia, em Curitiba, sofreu um atentado a tiros, deixando duas pessoas feridas, sendo uma em estado grave.

    Um dos atingidos pelos disparos foi Jeferson Lima de Menezes, de São Paulo, que foi levado ao hospital com um tiro no pescoço. Segundo os acampados ele permanece em estado grave no hospital. 

    ​No acampamento, localizado no bairro de Santa Cândida, dormem os integrantes da vigília Lula Livre, que permanece próximo ao prédio da Polícia Federal onde está preso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    Segundo testemunhas informaram ao portal do Brasil de Fato, um carro teria passado em frente ao acampamento atirando, voltando logo em seguida para efetuar novos disparos contra o acampamento.

    A Senadora Gleisi Hoffmann, também presidente do Partido dos Trabalhadores, afirmou no Twitter que o atentado era um caso de covardia e intolerância.

    ​Os autores do atentado ainda não foram  identificados. A polícia chegou ao local ainda durante a noite para averiguação e encontraram cápsulas de uma pistola de 9mm.

    Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Paraná afirma que os disparos foram feitos durante a madrugada por um indivíduo que estava a pé. A Secretaria ainda confirma que uma pessoa foi atingida e que uma segunda vítima não teria sido ferida com gravidade.

    ​A coordenação do movimento alega que desde que o acampamento mudou de local, no dia 17, cumprindo ordem judicial, há ameaças aos acampados. Eles também afirmam que solicitaram mais segurança e policiamento na região, o que havia sido sinalizado como parte do acordo de mudança de local do acampamento.

    Ainda segundo as testemunhas, houve movimentação de veículos em frente ao acampamento durante a madrugada. Destes carros partiram palavras de ordem e provocações.

    Mais:

    Ação contra Lula tem 'outras provas' e fica em Curitiba, decide Moro
    Lula no alvo? Palocci fecha acordo de delação premiada com a Polícia Federal
    Decisão do STF abre brecha para defesa de Lula tirar processos das mãos de Moro
    Tags:
    Gleisi Hoffmann, Luiz Inácio Lula da Silva, Curitiba
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik