00:47 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Ativistas fazem ato em frente à Petrobras contra a privatização da estatal

    Não à privatização: ativistas realizam grande ato no Rio em defesa da Petrobras

    © Sputnik / Solon Neto
    Brasil
    URL curta
    1191

    Representantes de movimentos sociais, estudantes e políticos se reuniram hoje em frente à sede da Petrobras, no Rio de Janeiro, para protestar contra a possível privatização da estatal, referência mundial no setor energético.

    De acordo com um correspondente da Sputnik Brasil no local, o ato, que teve início nesta tarde, conta com a participação de grupos como Central Única dos Trabalhadores (CUT), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Levante Popular da Juventude, Federação Única dos Petroleiros (FUP), União da Juventude Rebelião (UJR), União da Juventude Socialista (UJS), Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), Frente Brasil Popular, Frente Povo sem Medo, Sindipetro-RJ, Via Campesina e Movimento dos Atingidos Por Barragens (MAB), entre outros. 

    Manifestantes em defesa da Petrobras, no Rio de Janeiro, em frente à sede da empresa
    © Sputnik / Solon Neto
    Manifestantes em defesa da Petrobras, no Rio de Janeiro, em frente à sede da empresa

    Na última semana, a direção da Petrobras anunciou a venda de 60% das refinarias Presidente Getúlio Vargas (Repar-Paraná), Abreu e Lima (RNEST-Pernambuco), Landulpho Alves (RLAM-Bahia) e Alberto Pasqualini (Refap-Rio Grande do Sul), gerando forte indignação em diversos setores da sociedade, que temem os possíveis impactos negativos dessa decisão, como possível aumento dos preços dos combustíveis e perda da capacidade de defesa dos interesses nacionais. 

    Manifestantes fazem encenação ironizando o atual presidente do Brasil, Michel Temer
    © Sputnik / Solon Neto
    Manifestantes fazem encenação ironizando o atual presidente do Brasil, Michel Temer

    Nesta quinta-feira, a Petrobras realiza uma Assembleia Geral Ordinária para eleger o seu novo conselho de administração. Em entrevista à Sputnik Brasil, José Maria Rangel, coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), criticou duramente algumas novidades apresentadas nessa reunião:

    "O governo, que é o acionista majoritário, está apresentando duas novidades. Primeiro, é a mudança que aumenta o número de componentes, de dez para 11. Até aí, sem problemas. Segundo, é que ele está indicando para o conselho de administração, que é a instância maior da companhia, onde as decisões estratégicas são tomadas, deliberadas, dois representantes oriundos da Shell e um representante da Maersk, que é uma empresa prestadora de serviços da Petrobras. Para nós, isso é motivo de denúncia para a sociedade, porque não tem como a gente assistir a um processo desse e achar que está normal", afirmou. 

    José Maria Rangel, coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP)
    © Sputnik / Solon Neto
    José Maria Rangel, coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP)

    Para Tezeu Bezerra, coordenador do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense, os chamados parceiros estratégicos que devem entrar para o conselho de administração da estatal não passam de "agentes internacionais", representantes de empresas concorrentes da Petrobras. 

    "São pessoas que, com certeza, vêm só para cumprir essa página que está sendo colocada de entregar e fatiar mais ainda, enfraquecer mais ainda a Petrobras", disse ele à Sputnik Brasil, destacando a "ilegitimidade" do atual governo federal, supostamente subserviente ao mercado financeiro.

    O ato desta quinta-feira faz parte também da onda de manifestações convocadas pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo contra a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado em segunda instância a mais de 12 anos de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, ligados ao caso do triplex de Guarujá (SP).

    Mais:

    Presidente da Petrobras deseja ampliar acordos com a Rússia
    ‘Acordo entre acionistas dos EUA e Petrobras pode gerar avalanche de ações’
    Extração do pré-sal foi fundo na produção da Petrobras em 2017
    Tags:
    privatização, petróleo, Petrobras, Luiz Inácio Lula da Silva, Lula, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik