16:53 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Antonio Palocci

    Lula no alvo? Palocci fecha acordo de delação premiada com a Polícia Federal

    José Cruz/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    324

    O ex-ministro Antônio Palocci fechou um acordo de delação premiada com a Polícia Federal e, passados 19 meses desde que foi preso, o ex-petista poderá um novo impulso às investigações da Operação Lava Jato, sobretudo nos casos envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    De acordo com informações publicadas pelo jornal O Globo nesta quinta-feira, a fase de depoimentos e definição de benefícios que serão concedidos ao ex-ministro já foram concluídas. Entretanto, a Justiça ainda deverá decidir se homologa ou não o acordo.

    Ao longo do ano passado, a defesa de Palocci tentou negociar uma delação premiada com a Força-Tarefa da Lava Jato, mas não obteve sucesso – o ex-ministro chegou a se oferecer para prestar novos depoimentos.

    Desta vez, ainda segundo O Globo, as informações fornecidas por Palocci poderiam permitir novas operações, inquéritos e até prisões. Ex-ministro da Fazenda de Lula e ex-chefe da Casa Civil de Dilma Rousseff (PT), Palocci teria sido elo importante entre os dois governos e o empresariado, e nem vezes por caminhos lícitos.

    Preso em setembro de 2016, Palocci foi condenado a 12 anos, 2 meses e 20 dias de prisão pelo juiz federal Sérgio Moro pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. A expectativa da defesa é conseguir, entre os benefícios, que o ex-ministro possa ser libertado em breve.

    O potencial da delação de Palocci, se aceita pela Justiça, pode impactar diretamente a situação de Lula, que segue preso na superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Em setembro do ano passado, o ex-ministro descreveu supostos crimes do ex-presidente e falou em um "pacto de sangue" de Lula com Emílio Odebrecht.

    "Foi nesse momento que o doutor Emílio Odebrecht fez uma espécie de pacto de sangue com o presidente Lula. Ele procurou Lula nos últimos dias de seu mandato e levou um pacote de propinas para o presidente Lula esse terreno do instituto, que já estava comprado e seu Emílio apresentou ao presidente Lula, o sítio para uso da família, que estava fazendo a reforma em fase final e disse ao presidente que estava pronto e disse que tinha a disposição para o presidente fazer sua atividade política dele, R$ 300 milhões", disse Palocci à época.

    A delação de Palocci também poderia impactar Dilma e outros petistas. Mas não é só. Diante do seu papel de “elo” do governo com o empresariado e o mercado financeiro, o ex-ministro teria ainda informações que podem comprometer bancos e outras grandes empresas.

    Mais:

    STF rejeita habeas corpus de Palocci
    Lula depõe por 2h, diz 'ter pena' de Palocci e questiona Moro: 'O senhor será imparcial?'
    Mídia: José Dirceu diz que prefere morrer a fazer delação premiada como Palocci
    'Pacto de sangue': Palocci aponta elos de corrupção entre Odebrecht, Lula e Dilma (VÍDEOS)
    Tags:
    delação premiada, corrupção, Operação Lava Jato, Polícia Federal, Emílio Odebrecht, Dilma Rousseff, Luiz Inácio Lula da Silva, Antonio Palocci, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik