01:40 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva durante discurso do ex-presidente em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos em São Bernardo do Campo, em São Paulo. Lula teve a prisão decretada pelo juiz Sérgio Moro.

    Documentário sobre o impeachment tem plateia torcedora com gritos de 'Lula livre'

    © AP Photo / Andre Penner
    Brasil
    URL curta
    Por
    10208
    Nos siga no

    Mesmo longe do Maracanã, o documentário "O Processo" teve sua estreia no Rio de Janeiro durante o festival É Tudo Verdade 2018 na noite de terça-feira (17) com filas de dobrar o quarteirão e cores de Fla-Flu partidário.

    O filme de Maria Augusta Ramos traz imagens de bastidores dos momentos que culminaram no afastamento de Dilma Rousseff (PT) da Presidência da República. A obra ficou em terceiro lugar na escolha do público entres os documentários da Panorama, principal mostra paralela do 68° Festival de Berlim — onde também foi ovacionada pela plateia. 

    No tapete vermelho carioca, figuras como a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ), o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), Chico Buarque e o Prêmio Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel prestigiaram o evento. 

    Esquivel afirmou antes do início da sessão que a América Latina registrou "golpes de Estado brandos" em Honduras, Paraguai e, mais recentemente, no Brasil. Ele encabeça um movimento para indicar o ex-presidente Lula ao Prêmio Nobel da Paz.

    Na tela, o filme mostra as figuras do impeachment de Dilma se revezando no microfone para atacar ou defender a petista. As falas de dois anos atrás foram aplaudidas ou vaiadas como se o documentário fosse transmissão ao vivo. O senador Aécio Neves foi recepcionado aos gritos de "réu", a advogada Janaina Paschoal foi chamada de "psicopata" e as falas desenvoltas do advogado de defesa de Dilma, José Eduardo Cardozo, foram alvo de longos aplausos. 

    Ao fim da sessão, a plateia irrompeu o coro de "Lula livre".

    O senador Lindbergh Farias afirmou que a percepção sobre o impeachment na população está mudando e que "o jogo está virando". Para ele, a prisão de Lula fortalece eleitoralmente o ex-presidente.

    "O Lula sai muito fortalecido deste processo. Vamos registrá-lo candidato no dia 15 de agosto. A gente sabe que a candidatura dele pode ser impugnada. Mas se isso acontecer, eu acho que ele vai ganhar mais força ainda. E a gente tem condição de eleger alguém de esquerda para frear esse pacto, esse golpe, fazer um indulto ao Lula, reorganizar as instituições", disse Farias em entrevista à Sputnik Brasil. 

    Também presente na sessão, o ex-chanceler Celso Amorim reafirmou que Lula é o candidato do PT para as eleições presidenciais: "Nosso candidato é o Lula. Vamos levar o Lula às últimas consequências". Amorim, que também foi ministro da Defesa de Dilma, disse que Lula é o "preso político mais conhecido do mundo". 

    "O ex-presidente Ricardo Lagos, do Chile, ligou-me recentemente e disse: ‘estamos muito preocupados, porque esse golpe que está acontecendo no Brasil também pode acontecer em outros países sul-americanos'. E ele é um homem moderado — assim como o Lula, que ao contrário do que dizem é um homem conciliador, embora tenha uma visão firme de justiça social e autonomia do país", disse Amorim à Sputnik Brasil.

    Já após o fim da sessão e nas ruas de Botafogo, a contadora Elke Gibson caminhava para casa com uma bandeira do PT nas costas e um adesivo pedindo a volta de Dilma Rousseff. Ela afirmou que "O Processo" é um importante "registro histórico". "É surreal que uma presidente seja retirada do poder sem cometer crime nenhum, com esses requintes de crueldade, que o filme até não aborda, que foram requintes de crueldade machistas."

    Sobre a cena inicial do filme, que mostra a Esplanada dos Ministérios dividida entre manifestantes pró e contra Dilma Rousseff, Elke acredita que a situação não deve mudar em breve:

    "As pessoas falam muito em polarização, mas acho que não tem como não polarizar porque de um lado tem as pessoas que lutam por igualdade, justiça, e de outro — mas não é generalizado, não são todos — há pessoas de elite que estão interessada em manter seus privilégios. É uma questão de ódio de classe, não tem como dizer que a gente vai ficar do lado dessas pessoas."

    Mais:

    O que está por trás da polarização da sociedade brasileira após sentença de Lula?
    'Se é do Lula, é nosso': MTST e Povo Sem Medo ocupam tríplex do Guarujá (VÍDEO)
    Lula continua liderando pesquisas de intenção de voto nas eleições presidenciais
    Prefeitura de Curitiba pede transferência de Lula da sede da PF
    Lula está preso porque 'vai ganhar as eleições', afirma ex-presidente do Equador
    Tags:
    PT, Marcelo Freitas, Adolfo Pérez Esquivel, Jandira Feghali, Lindberg Farias, José Eduardo Cardozo, Lula, Dilma Rousseff
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar