05:47 20 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Aécio Neves, citado nas gravações das conversas entre Romero Jucá e Sérgio Machado como o primeiro a ser comido caso a Lava-Jato prosseguisse

    Quase réu no STF, Aécio admite ter sido 'ingênuo', mas nega propina da JBS

    Marcos Oliveira/ Agência Senado/ FotosPúblicas
    Brasil
    URL curta
    12010

    O senador Aécio Neves (PSDB-MG) admitiu nesta segunda-feira ter cometido erros e ter sido "ingênuo", porém negou ter cometido qualquer ilegalidade no caso que o liga a um pagamento de propina, denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela Procuradoria-Geral da República (PGR), feito pelo empresário Joesley Batista, da JBS.

    Em artigo publicado pelo jornal Folha de S. Paulo, o tucano se defendeu da acusação de corrupção passiva, que será analisada nesta terça-feira pela Primeira Turma do STF e que, se aceita, o tornará réu pela primeira vez na Operação Lava Jato – o senador é alvo de outros 9 inquéritos na Corte.

    "Fui ingênuo, cometi erros e me penitencio diariamente por eles. Mas não cometi nenhuma ilegalidade. Por isso, não esmoreço. Em nome da minha história, da minha família e de todos aqueles que confiaram a mim a esperança de uma Minas Gerais e de um Brasil melhor, sigo em frente, porque sei que a verdade vai prevalecer", justificou Aécio.

    Dizendo "oferecer fatos", o tucano afirmou ter precisado contratar advogados no começo do ano passado e, sem recursos pessoais disponíveis, ele buscou um empréstimo por meio da venda de um apartamento no Rio de Janeiro. Segundo ele, os R$ 2 milhões apalavrados com Joesley – que constam em uma gravação entre os dois – eram sobre isso apenas.

    "Recebi, de boa-fé, o delator no hotel em que estava e, numa conversa criminosamente gravada e induzida por ele, permiti-me usar um vocabulário inadequado e fazer brincadeiras injustificáveis e de enorme mau gosto, das quais me arrependo profundamente", continuou, referindo-se a palavrões e ao dizer que mandaria matar um primo, Frederico Pacheco, também denunciado.

    Além de se desculpar com Pacheco, com a irmã Andrea Neves, e com Mendherson Souza Lima (ex-assessor do senador tucano Zezé Perrella, aliado de Aécio) – todos também denunciados pela PGR no mesmo processo –, o presidenciável do PSDB em 2014 negou qualquer ilegalidade nos seus atos.

    "Errei em aceitá-lo. Mas não cometi nenhum crime. Não houve nenhum prejuízo aos cofres públicos. Ninguém foi lesado", afirmou.

    Mais:

    Marco Aurélio marca análise de denúncia contra Aécio para dia 17
    'Serenidade', diz Aécio sobre decisão do Senado de o restituir
    Aécio escreve carta a senadores pedindo votos para voltar ao Senado
    Tags:
    corrupção passiva, Operação Lava Jato, propina, JBS, PGR, STF, PSDB, Mendherson Souza Lima, Frederico Pacheco de Medeiros, Andrea Neves, Zezé Perrella, Joesley Batista, Aécio Neves, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik