12:23 26 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Soldados do Exército Brasileiro

    Anistia Internacional cita crimes militares na ditadura como exemplo de 'impunidade'

    Valter Campanato/ Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    211310

    A ONG Anistia Internacional publicou nesta quarta-feira (4) uma nota de repúdio à declaração do general Villas Boas na véspera do julgamento de Lula em que ele fala que o Exército brasileiro repudia a impunidade.

    De acordo com a organização, que é umas instituições de defesa dos direitos humanos mais respeitadas do mundo, as declarações do general "são uma grave afronta à independência dos poderes, ao devido processo legal, uma ameaça ao Estado Democrático de Direito e sinalizam um desvio do papel das Forças Armadas no Brasil".

    Na última terça-feira (3), uma dia antes do julgamento do pedido de habeas corpus para Lula, o general Villas Boas publicou em seu Twitter que "o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucional". 

    ​"A Anistia Internacional vem a público manifestar seu repúdio às declarações do Comandante do Exército General Villas Boas. As declarações do General são uma grave afronta à independência dos poderes, ao devido processo legal, uma ameaça ao Estado Democrático de Direito e sinalizam um desvio do papel das Forças Armadas no Brasil", diz a nota. 

    A Anistia Internacional lembra também dos crimes cometidos pelas Forças Armadas durante a ditadura que não foram julgados como exemplo de impunidade.

    "Cabe lembrar ainda que a impunidade dos graves crimes e violações de direitos cometidos pelas forças armadas é uma das feridas abertas na histórias recente brasileira. O Brasil nunca julgou ou responsabilizou os militares e agentes do estado que cometeram execuções, desaparecimentos forçados, tortura, estupros, e todo tipo de violações durante o regime militar", afirma a ONG. 

    Mais:

    Cotado para a Defesa, consultor de Temer chamou de 'encenação' ataque à caravana de Lula
    Ministro da Defesa nega golpe e uso da força pelo Exército antes do julgamento de Lula
    Lula chega ao Sindicato dos Metalúrgicos para acompanhar julgamento
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik