19:31 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Denis Rosenfield ao lado do presidente Michel Temer

    Cotado para a Defesa, consultor de Temer chamou de 'encenação' ataque à caravana de Lula

    © Foto : Romério Cunha / VPR
    Brasil
    URL curta
    1734

    Cotado para assumir o Ministério da Defesa, o filósofo gaúcho Denis Rosenfield afirmou nesta semana que o ataque contra a caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na semana passada, no interior do Paraná, não passou de "encenação".

    Em artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo na terça-feira, Rosenfield abordou o julgamento do habeas corpus de Lula pelo Supremo Tribunal Federal (STF), cuja decisão vai definir "se a lei e a Constituição valem para todos ou não".

    "Nenhum engano é aqui possível. Se passar o habeas corpus de Lula, livrando-o da prisão após a condenação definitiva em segunda instância, o próximo passo será a tentativa do petista de conseguir um artifício jurídico do mesmo tipo habilitando-o à candidatura presidencial", escreveu.

    Rosenfield ganhou nesta quarta-feira a atribuição de fazer uma ponte entre o presidente Michel Temer (MDB) e as Forças Armadas. Ligado ao general Sérgio Etchegoyen, Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência, o filósofo já é um consultor de Temer para vários assuntos e é tido como um possível nome para a Defesa, que vem sendo conduzida interinamente pelo general Joaquim Silva e Luna.

    Crítico histórico do PT, Rosenfield ainda clamou, em seu artigo ao Estadão, que a sociedade reaja e "não caia na apatia".

    "Esta pode ser o prelúdio da anomia, podendo abrir caminho para as mais diferentes violações da liberdade. De nada adiantam discursos empolados sobre a doutrina brasileira do habeas corpus enquanto doutrina da liberdade se sua conclusão for a mera liberdade para praticar atos criminosos, assegurando a seus agentes a impunidade. A liberdade não é o arbítrio do delinquir", continuou.

    Além de criticar abertamente o Supremo, que trata-se de "um Poder que se desacredita cada vez mais perante a sociedade", Rosenfield apontou que "o condenado [Lula] segue em campanha eleitoral por todo o país" e que "reclamar agora de um episódio de violência mal explicada de tiros que não produziram nenhum efeito não deixa de ser vulgar encenação".

    "Quantos tiros o MST não deu pelo País afora com o total apoio de Lula e do PT? E os sequestros de trabalhadores e empreendedores rurais? E a destruição de propriedades? E a morte e mutilação de animais, com os tendões cortados? Quem semeia violência colhe os seus frutos", argumentou.

    A expectativa é que Rosenfield possa ser o nome que permitirá a Temer não perder o controle e a interlocução junto às Forças Armadas – o filósofo também é amigo do general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército e que causou polêmica com mensagens no Twitter.

    Mais:

    Lula chega ao Sindicato dos Metalúrgicos para acompanhar julgamento
    Opinião: julgamento de Lula é marcado por perseguição inequívoca e seletividade de provas
    Lula: 'Não aceitei a ditadura militar e não vou aceitar a ditadura do MP e do Moro'
    Tags:
    habeas corpus, julgamento, Operação Lava Jato, corrupção, Ministério da Defesa, Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), Exército Brasileiro, Gabinete de Segurança Institucional (GSI), PT, STF, Eduardo Villas Bôas, Sérgio Etchegoyen, Michel Temer, Luiz Inácio Lula da Silva, Denis Rosenfield, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik