01:57 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Conselho de Segurança da ONU

    'Brasil será equilíbrio que ONU quer', diz analista sobre volta ao Conselho de Segurança

    © AP Photo / Frank Franklin II
    Brasil
    URL curta
    1357

    A possibilidade do Brasil antecipar em 11 anos o seu retorno ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), a partir de 2022, pode dar o equilíbrio e moderação que a entidade hoje precisa, de acordo com um especialista ouvido pela Sputnik Brasil.

    Para o professor de Relações Internacionais Ricardo Cabral, pesquisador da Escola de Guerra Naval, no Rio de Janeiro, tal retorno é de grande relevância para o Brasil, já que o país poderá se destacar atuando como um poder moderador entre as demais nações.

    "Hoje estamos numa situação em que a simples presença do Brasil no Conselho de Segurança da ONU equilibra esse conselho. Por quê? Porque o Brasil, mesmo com uma diplomacia atual menos assertiva do que as diplomacias anteriores, tem funcionado como uma voz de equilíbrio e moderação", afirmou.

    Por meio de um acordo com Honduras, o Brasil antecipou em 11 anos o seu retorno ao Conselho de Segurança da ONU. Esta volta, que somente aconteceria no período 2033-2034, ocorrerá durante os anos 2022-2023. De acordo com o ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, "com este acordo, o Brasil se candidatará para a vaga do conselho destinada aos países da América Latina e do Caribe".

    Ricardo Cabral relembrou que a presença brasileira nesse conselho "é uma política de Estado", e que o projeto de reforma do Conselho de Segurança da ONU foi uma das bandeiras colocadas "em um primeiro plano" pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

    Por essa reforma, o Brasil se tornaria um membro permanente ao lado de um país da Ásia (possivelmente o Japão), mais um ou dois das América e, possivelmente, mais um europeu (a Alemanha como favorita). Por ora, EUA, Rússia, China, França e Reino Unido compõem o grupo de membros permanentes e com direito a veto no conselho, e a reforma gera polêmica.

    Embora o acordo com Honduras venha como um vento de incentivo ao Itamaraty, a atual presença do Brasil na arena internacional durante o governo do presidente Michel Temer merece ressalvas quando o assunto são os pleitos brasileiros no exterior.

    "O governo Temer, por sua vez, não tem o prestígio internacional dos governos anteriores e, até hoje, enfrenta as repercussões decorrentes de todo processo de substituição da presidente Dilma [Rousseff]", explicou Cabral, que apesar disso elogiou a iniciativa brasileira em antecipar o retorno ao Conselho de Segurança da ONU.

    "Foi muito inteligente essa manobra da diplomacia do Brasil de obter de Honduras um acordo para antecipar em onze anos o retorno do país ao Conselho de Segurança da ONU. Isso reforça a minha tese de que o Brasil deve representar para as Nações Unidas uma voz de equilíbrio no concerto mundial", continuou.

    Segundo o pesquisador, não há dúvidas de que, desconsiderando os aspectos políticos, o Brasil está consolidado dentro de suas parcerias internacionais, e que isso deve ser considerado decisivo para sua futura atuação nas Nações Unidas – aqui incluído o papel no conselho.

    "O Brasil tem um bom cacife entre os grandes países da ONU. Somos parceiros destes países membros permanentes do Conselho de Segurança e temos excelentes relações com países da África e da América do Sul. Isto acentua o poder moderador do Brasil diante das demais nações", concluiu.

    Mais:

    EUA vetam documento sino-russo em apoio a processo de paz coreano no Conselho de Segurança
    Conselho de Segurança da Rússia: 'Ocidente tenta desvalorizar o direito internacional'
    Irã diz que Rússia 'salvou a reputação' do Conselho de Segurança da ONU
    Tags:
    política, diplomacia, moderação, ONU, Itamaraty, Conselho de Segurança da ONU, Michel Temer, Ricardo Cabral, Luiz Inácio Lula da Silva, Aloysio Nunes Ferreira, África, Estados Unidos, Américas, Honduras, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik