00:07 22 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Carro blindado nas ruas do Rio de Janeiro

    Polícia do Rio recebe 6 blindados do exército

    © REUTERS / Ricardo Moraes
    Brasil
    URL curta
    Intervenção federal no Rio de Janeiro (44)
    711

    A Secretaria de Estado de Segurança do Rio de Janeiro recebeu nesta quarta-feira seis veículos blindados e sete veículos de apoio do Gabinete de Intervenção Federal.

    Segundo Agência Brasil, três blindados são do modelo Urutu, usados pelo exército brasileiro no Haiti, e farão parte da frota do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope).

    Os outros blindados são do modelo "caveirão" e serão reintegrados à Coordenação de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil, após passar por manutenção. Os motoristas dos blindados serão do exército, enquanto durar a intervenção federal.

    A polícia carioca também recebeu quatro caminhões-oficina, duas viaturas de socorro e uma de lubrificação, para apoiar os blindados. 

    O porta-voz do Gabinete de Intervenção Federal, coronel Roberto Itamar, prometeu mais reforços.

    "Outros passos serão dados, outros reforços virão, viaturas estão sendo adquiridas também para serem entregues. Em breve a frota das polícias Militar e Civil poderá ser renovada, repotencializada e reforçada para que possam melhor atuar nos seus trabalhos de segurança pública", disse o militar, citado pela Agência Brasil.

    Tema:
    Intervenção federal no Rio de Janeiro (44)

    Mais:

    Anulação da intervenção no Rio vai ao plenário do STF
    'Sem mágica': Intervenção no Rio terá resultados em 4 meses, diz Jungmann
    Após crítica da ONU, Justiça Global comenta intervenção no Rio: 'Possibilidade de chacina'
    Intervenção na segurança do Rio ainda não apresentou planos, diz líder do setor hoteleiro
    Intervenção federal deixará legado para a segurança pública no Rio?
    Tags:
    caveirão, veículo blindado, blindados, Core, BOPE, Polícia Civil, Polícia Militar, Roberto Itamar, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik