05:54 24 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da República Michel Temer durante a posse do ministro da Cultura, Roberto Freire, em Brasília. Dia 23 de novembro de 2016.

    Temer admite pela primeira vez que pode se candidatar à reeleição em outubro

    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Brasil
    URL curta
    1207

    Após negar em várias aparições e entrevistas que seria candidato à reeleição, o presidente Michel Temer (MDB) declarou pela primeira vez que pode disputar as eleições presidenciais de outubro no Brasil. A afirmação foi feita nesta terça-feira.

    Na saída de um almoço em Brasília, no Palácio Itamaraty, com o presidente colombiano Juan Manuel Santos, Temer não descartou a hipótese de ser candidato à reeleição.

    "Ainda não decidi. Não é improvável, mas ainda não decidi. O tempo dirá [quando devo decidir]. É no limite legal", afirmou o emedebista a jornalistas, referindo-se à data de 15 de agosto, o limite por lei para o registro de candidaturas.

    Nos bastidores, o desejo de Temer em ser candidato estaria relacionado ao incentivo de assessores para que o faça, defendendo o legado do seu governo, assim como pela possibilidade de manutenção do foro privilegiado – há duas denúncias paradas no Supremo Tribunal Federal (STF) que, caso perca o foro, Temer responderá na Justiça em 2019.

    Contudo, diante da baixa popularidade, as chances de Temer disputar de maneira competitiva o pleito de outubro são vistas com ressalvas até mesmo por aliados próximos. Não por acaso, nomes como o do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), surgiram como alternativas para os governistas.

    Especificamente sobre Meirelles – filiado ao PSD, mas que poderia ir para o MDB antes de 7 de abril –, Temer indicou que conversas acontecerão para definir o rumo a ser tomado.

    "Tudo isso vai ser objeto de conversas, com o Meirelles, inclusive, que é uma grande figura", afirmou o presidente.

    Em Brasília, o que Temer e seus aliados indicam é que são pequenas (no momento) as chances de apoiar a candidatura presidencial do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), ao Planalto. A postura dúbia do tucano em relação ao governo federal irritou o MDB.

    Mais:

    Temer diz que assassinato de vereadora do PSOL é 'inadmissível'
    Brasil pode ir à OMC contra aumentos de taxas de importação dos EUA, diz Temer
    Mercosul e União Europeia devem fechar acordo em breve, diz Temer
    Tags:
    foro privilegiado, política, reeleição, Eleições 2018, MDB, Juan Manuel Santos, Henrique Meirelles, Rodrigo Maia, Geraldo Alckmin, Michel Temer, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik