20:37 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Militares das Forças Armadas fazem operação em comunidades do Rio

    Forças Armadas vão deixar Vila Kennedy já nas próximas semanas

    Vladimir Platonow / Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    Intervenção federal no Rio de Janeiro (45)
    0 0 0

    O chefe de comunicação do Comando Militar do Leste, coronel Carlos Frederico Cinelli, declarou nesta terça-feira (20) que as Forças Armadas vão deixar definitivamente a comunidade de Vila Kennedy, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, região considerada como modelo para a intervenção federal na segurança pública do Estado.

    Os militares estão há quase um mês na comunidade para realizar as chamadas operações de estabilizações do território. A expectativa é de que as Forças Armadas deixem a região em duas ou três semanas. 

    “Vamos retirar os efetivos da Vila Kennedy para que a Polícia Militar possa efetivamente assumir o patrulhamento da comunidade”, disse o coronel.

    "Aumentou a percepção de segurança na comunidade. Há um decréscimo gradual do número de militares na Vila Kennedy. Ou seja, os militares vão saindo enquanto a PM vai entrando gradativamente na comunidade", acrescentou. 

    Em fevereiro, o governo de Michel Temer decretou a intervenção sobre o Rio de Janeiro, atendendo a pedidos do próprio governador do estado. A polêmica decisão está prevista para durar até o dia 31 de dezembro de 2018.

    A medida dá ao interventor Braga Netto, poderes sobre as polícias, bombeiros, e sobre a administração penitenciária do estado. O Rio de Janeiro tem cerca de 51 mil presidiários.

    A medida é inédita no período democrático brasileiro.

    Tema:
    Intervenção federal no Rio de Janeiro (45)

    Mais:

    Anulação da intervenção no Rio vai ao plenário do STF
    Temer admite possibilidade de encerrar intervenção para votar Reforma da Previdência
    'Sem mágica': Intervenção no Rio terá resultados em 4 meses, diz Jungmann
    Tags:
    intervenção, militares, exército, forças armadas, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik