17:09 19 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Romero Jucá diz que o Senado vai se dedicar a aprovação de pautas que levem a retomada do crescimento do país

    STF aceita denúncia contra Romero Jucá em processo ligado à Odebrecht

    Jefferson Rudy/Agência Senado
    Brasil
    URL curta
    220

    A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou, nesta terça-feira (13), a denúncia contra do senador Romero Jucá (MDB-RR) apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

    Esta é a primeira vez que o senador se tornou réu no STF na primeira ação penal aberta em decorrência da delação premiada da empresa Odebrecht.

    Jucá foi delatado pelo ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Claudio Mello Filho, que disse que a empreiteira fez, em 2014, uma doação eleitoral oficial de R$ 150 mil ao diretório regional do MDB em Roraima, ao mesmo tempo em que discutia com o senador a aprovação, no Congresso Nacional, de duas medidas provisórias (MPs) em benefício da empresa.

    O diretório regional repassou a doação para Rodrigo Jucá, filho do senador, candidato a vice-governador de Roraima.

    No mesmo dia da doação, o diretório regional do MDB repassou a quantia a Rodrigo Jucá, filho do senador, que na ocasião era candidato a vice-governador de Roraima.

    Segundo o senador, as doações recebidas na campanha de 2014 pela empreiteira Odebrecht foram feitas de modo oficial e "os pedidos de investigação do Ministério Público Federal (MPF) buscam, na verdade, a criminalização da política".

    "O STF não se manifestou quanto ao mérito da matéria, disse apenas que precisava ser instruído o processo. Portanto, estou tranquilo, vou responder tudo, provarei que sou inocente, que não houve nada de errado nessa doação, e, portanto, vamos aguardar e trabalhar com tranquilidade através dos nossos advogados", disse Jucá, em entrevista a jornalistas no Senado, após ficar sabendo da aceitação da denúncia.

    Para o MPF, o dinheiro foi doado em contrapartida à atuação política de Jucá, que propôs emendas para modificar os textos das MPs 651 e 656, ambas de 2014, de modo a garantir benefícios fiscais ao grupo Odebrecht.

    Mais:

    Lava Jato: esquema de corrupção no RJ lavou dinheiro com bitcoin
    Lava Jato: ex-ministro da ditadura, Delfim Netto é alvo por propina de R$ 15 milhões
    MP investiga 'motel' em cadeia da Lava Jato no Rio
    Relator da Lava Jato no STJ vota contra pedido de liberdade preventiva de Lula
    Fachin inclui Temer em inquérito da Odebrecht na Lava Jato
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik