07:11 28 Maio 2018
Ouvir Rádio
    O grupo da Odebrecht é investigado no esquema de corrupção da Lava Jato

    STF nega pedido de ex-presidente do Peru para acessar delação da Odebrecht

    Divulgação
    Brasil
    URL curta
    3 0 0

    O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin negou nesta sexta-feira (2) pedido feito pela defesa do ex-presidente do Peru Ollanta Humala e de sua mulher, a ex-primeira dama Nadine Heredia, para ter acesso à parte internacional das delações da empreiteira Odebrecht.

    Nos depoimentos, o empresário brasileiro Marcelo Odebrecht afirmou ter repassado US$ 3 milhões de dólares para a campanha que elegeu Humala presidente em 2011. Com base nas acusações, em julho do ano passado, o casal foi preso para cumprir prisão preventiva por determinação da Justiça peruana.

    Na decisão, Fachin afirmou que o conteúdo das delações está em segredo de Justiça e os dados não podem ser compartilhados sem procedimento próprio de cooperação internacional.

    "Os elementos cujo acesso é requerido pelos peticionantes encontram-se acobertados por sigilo judicial, sendo que tais informações não podem ser qualificadas como prova sem a celebração de acordo de colaboração com as autoridades estrangeiras", decidiu o ministro.

    A Odebrecht admitiu, perante a Justiça norte-americana, ter pago cerca de US$ 800 milhões em propina em 12 países entre 2001 e 2016, desencadeado uma série de investigações.  Oito países, além do Brasil e do Peru, são da América Latina: Argentina, Colômbia, Equador, Guatemala, México, Panamá, República Dominicana e Venezuela.

     

    Mais:

    Fachin inclui Temer em inquérito da Odebrecht na Lava Jato
    Advogada de Keiko Fujimori admite recebimento de propina da Odebrecht
    Delator da Odebrecht depõe em São Paulo sobre esquema de corrupção no Peru
    Tags:
    Operação Lava Jato, Peru
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik