12:27 23 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Militar na Rocinha ao lado de muro com as inscrições do Comando Vermelho.

    PCC cria 'joint-venture' do crime e passa a controlar tráfico na Rocinha

    © AP Photo / Silvia Izquierdo
    Brasil
    URL curta
    Intervenção federal no Rio de Janeiro (42)
    13140

    A facção paulista PCC domina parte da Rocinha - comunidade incrustada na zona sul do Rio de Janeiro e um dos mais lucrativos pontos de venda de drogas da capital fluminense, aponta relatório de inteligência do sistema penitenciário e da equipe militar que atua na intervenção federal na segurança carioca.

    A presença do PCC foi articulada pelo antigo comandante do tráfico na favela, Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, afirma o G1, que diz ter conseguido acesso aos documentos. Ele teria formado uma espécia de "joint-venture" do crime entre sua facção, o Terceiro Comando dos Amigos (TCA), e o grupo paulista: o TCA-1533.

    Os relatórios de inteligência, afirma o G1, apontam que Nem, mesmo detido em presídio de segurança máxima, articulou a compra de 200 fuzis por R$ 7 milhões. O grupo busca tirar proveito do rompimento do Comando Vermelho com o PCC — que resultou em uma onda de rebeliões e mortes nos presídios da região norte do país no início de 2016.

    O ex-Coordenador Geral das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) Robson Rodrigues, entretanto, enxerga a informação com ceticismo. "Isto é um fragmento de inteligência, que precisa ser montado", diz. Para ele, não é característico do PCC atuar na venda de drogas e armas no varejo, mas sim no atacado. 

    "As facções no Rio de Janeiro são muito simples. Elas não tem o grau de sofisticação para atuar no atacado internacional. Um ou outro personagem com uma rede muito menor, mas muito mais eficaz, pode ter sido mais ousado e atuado no atacado. Isso não significa que todos esses denominados 'donos do morro' atuem no atacado", afirma em entrevista à Sputnik Brasil.

    Rodrigues, que também é pesquisador do Laboratório de Análise da Violência da UERJ, diz que o relatório de inteligência "faz parte de uma visão reduzida de querer ver o crime organizado somente a partir da favela e não olhar estruturas mais amplas e a rede de financiamento, não olhar a lavagem de dinheiro. O crime organizado é muito mais amplo do que essa visão míope e distorcida de que ele estaria localizado em determinada favela A ou B". 

    Na interpretação de Rodrigues, o relatório de inteligência legitima a ideia de "as ações devem se reduzir a essas comunidades" e seu conteúdo "interessa a alguém que eu não estou percebendo".

    Tema:
    Intervenção federal no Rio de Janeiro (42)

    Mais:

    Intervenção na segurança do Rio ainda não apresentou planos, diz líder do setor hoteleiro
    'Rio é um laboratório para o Brasil', diz general Braga Netto sobre intervenção
    Temer: ‘Se intervenção no Rio não der certo, governo não deu certo’
    Interventor do Rio cogita colocar general na Secretaria de Segurança Pública
    Espanta barata: ministro diz que criminosos do Rio podem migrar para outros Estados
    ‘Prefeito do Rio busca no exterior soluções de segurança que já existem no Brasil’
    De olho na reeleição? Temer nega que intervenção no Rio tenha motivação eleitoral
    Tags:
    Terceiro Comando Puro, Amigos dos Amigos (ADA), CV, PCC
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik