17:11 19 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Presidente do Brasil, Michel Temer, no Palácio do Planalto em Brasília

    Temer: ‘Se intervenção no Rio não der certo, governo não deu certo’

    © REUTERS/ Ueslei Marcelino
    Brasil
    URL curta
    Intervenção federal no Rio de Janeiro (43)
    1203

    O presidente Michel Temer disse nesta sexta-feira (23), em entrevista à Rádio Bandeirantes, que se a intervenção federal na segurança pública no Rio de Janeiro não der certo, o governo não deu certo.

    O presidente Michel Temer disse nesta sexta-feira (23), em entrevista à Rádio Bandeirantes, que se a intervenção federal na segurança pública no Rio de Janeiro não der certo, o governo não deu certo.

    "Se não der certo, não deu certo o governo, porque o comandante supremo das Forças Armadas é o presidente da República. De modo que as Forças Armadas nada mais fizeram do que obedecer ao comando do seu comandante supremo. Se não der certo, foi o governo que errou, não foram as Forças Armadas", disse.

    Na entrevista, Temer disse que o governo federal chegou a cogitar uma intervenção total no Rio de Janeiro. Mas, segundo o presidente, a uma medida era "muito radical" e, por isso, foi descartada.

    Temer explicou que em uma intervenção total o governador pode ser afastado. Ele foi questionado pelo jornalista José Luiz Datena se isso foi cogitado. "Claro, foi cogitado num primeiro momento, mas logo afastei a ideia por que seria uma coisa muito radical, e logo refutei. E refutando ficamos com a conclusão de que deveríamos intervir na área da segurança pública e no sistema penitenciário".

    Temer disse que ele e ministros conversaram com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, que concordou com a intervenção na área de segurança pública

    Temer negou que a intervenção tenha pretensões eleitorais.

    "É uma jogada de mestre, mas não é eleitoral", disse.

    Questionado diretamente se pretende ser candidato à reeleição no pleito de outubro, Temer negou. "Não. Tenho dito reiteradamente, em política, as circunstâncias é que ditam a conduta e as circunstâncias atuais ditam a minha conduta. Eu não sou candidato".

    Perguntado se haverá a criação de um imposto para financiar a área de segurança pública, Temer negou. "Não haverá imposto nenhum sobre segurança. Não há essa intenção no governo. Isso já foi declarado pelos nossos ministros e agora declaro publicamente".

    Temer reforçou a necessidade da aprovação da reforma da Previdência para o equilíbrio das contas públicas e disse que o tema saiu da pauta legislativa, mas não da pauta política do país.

    "Não haverá candidato à presidente da República, a governador, senador, deputado federal que não vai ser questionado sobre sua posição em relação à Previdência". No último dia 19, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, afastou a possibilidade de votação da reforma da Previdência enquanto durar a intervenção federal na segurança pública do estado do Rio de Janeiro. O decreto de intervenção prevê que a medida dure até o dia 31 de dezembro de 2018.

     

    Tema:
    Intervenção federal no Rio de Janeiro (43)

    Mais:

    De olho na reeleição? Temer nega que intervenção no Rio tenha motivação eleitoral
    Lula diz que Temer quer roubar eleitores de Bolsonaro com intervenção no Rio
    Meirelles: governo poderá remanejar recursos para bancar a intervenção no Rio de Janeiro
    Senado aprova intervenção federal de Temer na segurança do Rio de Janeiro
    Deputados do PDT, de Ciro Gomes, votam em bloco a favor da intervenção no Rio
    Decreto de Intervenção no Rio chega ao Senado e deve ser votado hoje
    Tags:
    intervenção, Michel Temer, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik