22:08 23 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Militares das Forças Armadas fazem operação em comunidades do Rio

    Intervenção pode fortalecer crime organizado no Rio, alerta tenente-coronel reformado

    Vladimir Platonow / Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    Intervenção federal no Rio de Janeiro (43)
    19174

    A intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro reproduz uma lógica falida de segurança pública e pode fortalecer o crime organizado, afirma o tenente-coronel reformado da Polícia Militar de São Paulo Adilson Paes de Souza em entrevista à Sputnik Brasil.

    "Essa intervenção não vai produzir ganho real nenhum", diz Souza. O tenente-coronel acredita que algum "ganho momentâneo" poderá ser alcançado, mas ele não será sustentável."Se você quer levar paz para uma comunidade, você tem que levar o Estado por completo e com a preocupação de proporcionar o bem comum. Colocar a polícia e achar que isso vai resolver é mentira."

    Souza diz que as forças de segurança trabalham com a lógica de que a população é inimiga das autoridades, principalmente os "pretos e pobres". 

    "Ano passado, segundo relatório da Human Rights Watch, a polícia do Rio matou mais de mil pessoas. Não era pra ter produzido resultados se fosse efetiva essa medida? O que aconteceu, matou-se mais de mil pessoas e houve a intervenção. Se modelo do confronto e eliminação fosse eficaz, não haveria essa onda de assalto e de insegurança", afirma Souza, que também é mestre em direitos humanos pela USP.

    Os militares já estavam no Rio de Janeiro pelo uso do dispositivo de Garantia da Lei e da Ordem (GLO). Com a intervenção, entretanto, o general de Exército Walter Souza Braga Netto irá comandar as Polícias Civil e Militar cariocas. 

    Nesta segunda-feira (19), o ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que serão necessários mandados de busca e apreensão coletivos por causa da "realidade urbanística" carioca.

    Souza diz que a medida é uma maneira de "rasgar" a Constituição. Para ele, o Poder Judiciário é "conivente" com a violência ao validar mandatos coletivos, ignorar a prática de tortura e de violência policial. 

    "Tratar a população como inimiga vai fortalecer o crime organizado, porque enquanto o Estado se ausenta e quando comparece agride, o outro lado vai aparecer como o 'bonzinho' e vai 'acolher' essas pessoas, ganhando mais forças e adeptos", diz o o tenente-coronel reformado.

    Tema:
    Intervenção federal no Rio de Janeiro (43)

    Mais:

    PSOL vai ao STF tentar barrar intervenção no Rio de Janeiro
    Relatora sobre intervenção: 'Necessária como remédio amargo para quem está na UTI'
    Ativistas ensinam população negra a agir durante intervenção e publicação viraliza (VÍDEO)
    Governo não vai detalhar decreto de intervenção no Rio: 'É entregar o ouro ao bandido'
    Após intervenção, rebelião é deflagrada em presídio no Rio
    'Fora Temer' e 'licença para matar': Bolsonaro opina sobre intervenção no Rio (VÍDEO)
    Tags:
    Raul Jungmann
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik