12:23 21 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Urna eletrônica

    O Estado tem chances contra as notícias falsas?

    José Cruz/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    601

    As "fake news" preocupam. O termo popularizado com a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos ganhou o mundo e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) criou uma força-tarefa para combater as notícias falsas nas eleições de 2018. A medida, entretanto, causa preocupação em especialistas ouvidos pela Sputnik Brasil.

    O conselho consultivo "Internet e eleições" conta com integrantes da Polícia Federal, Exército e organizações da sociedade civil. Até o momento, o órgão já fez três reuniões e nenhuma alteração na lei eleitoral foi proposta. O secretário-geral da presidência do TSE, Luciano Felício Fuck, afirmou que o objetivo é atuar de maneira preventiva.

    Mas, antes mesmo do pleito que vai escolher o próximo presidente do país, as notícias falsas já se espalham. Na semana do julgamento do ex-presidente Lula pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), a notícia mais compartilhada no Facebook era imprecisa. Com mais de 207 mil compartilhamentos, a página "Juntos pelo Brasil" afirmou que a prisão do petista foi determinada. Entretanto, uma possível detenção de Lula ainda depende do julgamento de recursos que sua defesa pode apresentar, os chamados embargos de declaração. Ou seja, Lula poderá ser preso, mas sua ida para a cadeia não foi determinada pelo TRF-4 até o momento.

    O levantamento sobre as notícias mais compartilhadas no país é uma iniciativa do Monitor do Debate Político no Meio Digital, um projeto do grupo de pesquisa em políticas públicas para o acesso à informação da USP.

    O professor da Universidade Federal do ABC Sérgio Amadeu vê a medida do TSE com cautela. Ele julga como positiva a preocupação do poder público, mas ressalta que o processo de classificar uma informação como falsa não é banal.

    "Não é simples dizer o que é falso e o que não é. Quando se trata de um fato, em geral é simples descobrir se ele aconteceu ou não. Entretanto, há uma complicação. Você pode querer saber a razão do fato ter ocorrido, as consequências e a sua correta interpretação. A luta política em geral é travada em torno dessa complexidade", afirma Amadeu.

    A jornalista Tai Nalon trabalha nesse processo de checagem de informações. Ela é diretora da agência Aos Fatos — que busca mentiras proferidas por políticos e figuras públicas. As afirmações conferidas pela equipe de Aos Fatos recebem selos como verdadeiro, falso, exagerado ou insustentável. Tai esclarece que os selos funcionam para deixar mais didático o processo de checagem. 

    A força-criada montada pelo TSE também é vista com desconfiança pela diretora dos Aos Fatos: "Não me parece que nenhuma outra democracia consolidada esteja indo para esse lado de combater notícia falsa com legislação". Tai Nalon acredita que seria mais efetivo investir em políticas públicas de incentivo à verificação da informação.

    Para Sérgio Amadeu, o discurso de ódio será um problema maior do que as notícias falsas durante o processo eleitoral. O professor da Universidade Federal do ABC diz que existem grupos que compartilham notícias falsas de maneira consciente porque acreditam que seus adversários políticos devem ser "eliminados".

    117 milhões de brasileiros utilizam a rede social de Mark Zuckerberg para consumir notícias, de acordo com relatório do Reuters Institute, da Universidade de Oxford.

    Mais:

    O Papa Francisco afirmou que notícias falsas são um 'pecado muito sério'
    UE gastará mais de 1 milhão de dólares para combater 'notícias falsas' da Rússia
    Embaixada dos EUA comenta as 'falsas notícias' sobre nível terrorista elevado em Portugal
    Usuários e mídia apanham CNN criando notícias falsas
    Tags:
    Polícia Federal, TSE
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar