09:54 18 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Deputado Carlos Marun, do PMDB/MS, em reunião do Conselho de Ética

    Articulador de Temer vê 'momento positivo', mas admite não haver votos para Previdência

    Antonio Augusto/ Câmara dos Deputados
    Brasil
    URL curta
    314

    O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse em entrevista no Palácio do Planalto que "desde maio não vivemos em um momento tão positivo para aprovação da reforma" da Previdência, mas admitiu que a três semanas da votação, o governo ainda não tem apoio o suficiente para passar a mudança nas regras de aposentadoria.

    "Ao mesmo tempo em que ainda não temos esses votos, e eu não minto, então não mentiria a respeito disso, nós vivemos uma situação que é a melhor desde maio de 2017, quando iniciou aquela conspiração que buscava derrubar o presidente e que fez como principal vítima essa necessária reforma", disse o articulador de Temer em referência às gravações entre o presidente e e o dono da JBS, Joesley Batista.

    Segundo o ministro, existe hoje um maior apoio popular à reforma que dá a "segurança e confiança" necessárias para a vitória. Marun chamou a não-aprovação da mudança nas regras de aposentadoria de "atestado de irresponsabilidade" e mencionou o rombo de R$268,8 bilhões nas contas do INSS e no regime de servidores federais. 

    "Críticas (ao projeto) não existem mais. Não existem argumentos. O que vejo é a conversa de alguns privilegiados preocupados com a sua própria aposentadoria", argumentou, citado pelo Estadão.

    Mais:

    Reforma da Previdência consegue desagradar a gregos e troianos
    Temer diz que fará o 'possível e o impossível' para aprovar a reforma da Previdência
    Governo Temer cede e decide flexibilizar pontos da Reforma da Previdência
    O Brasil parado: Protestos contra reforma da Previdência varrem todo o país
    Tags:
    reforma da previdência, Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Joesley Batista, Carlos Marun, Michel Temer, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar