05:48 17 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Cristiane Brasil durante a votação do impeachment de Dilma Roussef.

    Após 3 derrotas, Temer consegue liberação para Cristiane Brasil assumir pasta do Trabalho

    © Foto : Luis Macedo/ Câmara dos Deputados/ Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    2418

    A deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) será ministra do Trabalho após uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que neste sábado acolheu o recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e concedeu liminar que autoriza a posse da parlamentar.

    Indicada há dias pelo PTB e seu presidente, Roberto Jefferson (pai de Cristiane), a deputada foi impedida de tomar posse por já ter sido condenada pela Justiça Trabalhista, em decisão da Justiça de Niterói (RJ) – posteriormente referendada em duas ocasiões pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2).

    O vice-presidente do STJ, ministro Humberto Martins, acolheu a argumentação da AGU, que representa o governo federal junto à Justiça. No recurso, a pasta contestou a tese de que a nomeação de Cristiane Brasil contrariaria o princípio da moralidade, determinado pela Constituição, por causa de condenações sofridas na Justiça Trabalhista.

    "Ocorre que em nosso ordenamento jurídico inexiste norma que vede a nomeação de qualquer cidadão para exercer o cargo de ministro do Trabalho em razão de ter sofrido condenação trabalhista. O fumus boni iuris acerca da questão é evidente", afirmou o ministro na sua decisão, que tem caráter liminar.

    A AGU argumentava ainda que o impedimento da deputada em assumir o ministério estaria prejudicando o funcionamento do mesmo, e que a ação que impedia a nomeação de Cristiane Brasil não descreve ou demonstra dano concreto ao patrimônio público.

    Humberto Martins destacou que o cargo de ministro de Estado é de livre nomeação do presidente da República, sendo descabida a suspensão da posse sem embasamento jurídico-legal que justifique tal medida.

    Cristiane Brasil durante a votação do impeachment de Dilma Roussef.
    © Foto : Luis Macedo/ Câmara dos Deputados/ Fotos Públicas

    "O perigo da demora — grave risco de dano de difícil reparação ou mesmo irreparável — está suficientemente demonstrado pela necessidade de tutela da normalidade econômica, política e social. Não é aceitável que decisões liminares suspendam atos de nomeação e de posse, sem clara comprovação de violação ao ordenamento", explicou o ministro do STJ.

    A expectativa é que a posse da deputada como ministra do Trabalho ocorra na próxima segunda-feira (22), antes de o presidente Michel Temer embarcar para a Suíça, onde participará do Fórum Econômico Mundial de Davos.

    A luta pela indicação da deputada para a pasta do Trabalho é um trunfo do governo Temer para a aprovação da Reforma da Previdência, que pode ser votada em fevereiro na Câmara dos Deputados. A bancada do PTB é vista como uma das mais importantes na busca pelos 308 votos necessários para a aprovação da PEC.

    Mais:

    Justiça barra posse de Cristiane Brasil como ministra do Trabalho
    Ministro é convidado a dar explicações sobre portaria do trabalho escravo e falta à sessão
    'Reforma trabalhista não vai gerar emprego e vai precarizar condições de trabalho'
    Tags:
    condenação, reforma da previdência, política, PTB, STJ, Ministério do Trabalho, Roberto Jefferson, Michel Temer, Cristiane Brasil, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar