13:54 14 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Fernando Henrique Cardoso em evento sobre política de drogas (foto de arquivo)

    Hitler, Trump ou Macron: FHC diz que Brasil pode eleger alguém como eles em 2018

    © Foto / Tânia Rêgo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    17311
    Nos siga no

    O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) afirmou nesta quinta-feira que as eleições presidenciais brasileiras deste ano podem ver como vencedor um "Hitler, Trump ou Macron", em clara crítica ao atual distanciamento entre a sociedade e a classe política.

    O tucano, que comandou o Brasil entre 1994 e 2002, apontou o receituário que ele considera essencial para um bom presidente para o país após o pleito, marcado para outubro deste ano.

    "Tem que ser alguém que toque as pessoas com as palavras, mas com algumas regras de democracia e bem-estar, que tenha compromisso com o país", afirmou FHC, em entrevista concedida à Rádio Bandeirantes.

    "O discurso tem que ter razão e não só emoção, que conduza a pessoa pelo motivo certo e não pelo errado", continuou, em uma crítica que pareceu velada aos dois nomes preferidos pelo eleitorado neste momento, de acordo com recentes pesquisas: Luiz Inácio Lula da Silva(PT) e Jair Bolsonaro (PSC).

    Defensor da indicação do governador paulista Geraldo Alckmin como o presidenciável do PSDB nas próximas eleições, FHC foi além ao pregar a necessidade que os políticos se reconectem com a população. Para ele, a sociedade está cansada.

    "As pessoas estão cansadas de tanta confusão: é violência, crime, roubo. Nós precisamos voltar a acreditar no país, que já passou por muita coisa. Precisamos olhar para frente, para o futuro. Estamos em um momento em que é preciso conectar os políticos com a população", disse.

    É tal desconexão entre partidos políticos e as demandas populares que aumenta o temor do tucano que alguém que relembre o líder nazista Adolf Hitler, o magnata e presidente dos EUA Donald Trump, ou do ex-banqueiro e presidente da França Emmanuel Macron, acabe eleito.

    "O mundo todo está sofrendo esse desgaste porque a democracia social mudou, assim como a sociedade. A demanda das pessoas aumentou, elas querem mais", explicou.

    Críticas

    O ex-presidente tucano ainda falou um pouco mais sobre Lula e Bolsonaro. Na visão dele, o petista vende o discurso de que é vítima de perseguição da Justiça, mas considera que isso não é sustentável. Ele disse o que espera ver do PT após o julgamento do recurso de Lula, no Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4), no próximo dia 24, em Porto Alegre.

    "Pessoalmente, não tenho nenhuma satisfação em ver esse pessoal [políticos] na cadeia, não tenho esse espírito de vingança. Quem decide é a Justiça […]. O PT é um partido e vai continuar existindo. Se entrar na disputa com candidato próprio, vão apoiar quem? Esses temas vão permanecer. Caso seja absolvido, o 'outro lado' também vai sentir", afirmou.

    As palavras foram ainda menos elogiosas a Bolsonaro, chamado por FHC de "autoritário".

    "Conheço Lula muito bem, mas não conheço Bolsonaro. O Lula tem partido, história, trajetória, você pode gostar ou não, mas ele tem compromisso. Já Bolsonaro é um homem autoritário. Quais são as opiniões dele? Não sei […]. Bolsonaro ainda não existe", analisou.

    Mais:

    Condenado pelo mensalão revela caixa 2 em 1998 e 2002 a FHC, Lula, Serra e Aécio
    Lava Jato: Operador de Serra já repassou recursos para ex-amante de FHC
    Ciro Gomes: Temer 'é golpista', Lula 'se descolou da realidade' e FHC é 'traidor do país'
    Tags:
    corrupção, democracia, outsider, política, Eleições 2018, Emmanuel Macron, Donald Trump, Adolf Hitler, Jair Bolsonaro, Luiz Inácio Lula da Silva, Geraldo Alckmin, Fernando Henrique Cardoso, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar